Page 10 - em|FOCO GERIATRIA
P. 10

10 PRÁTICA CLÍNICA                                                                                                         Sofia Gouveia é
                                                                                                                           endocrinologista
                     Vitamina D: quando                                                                                    no Centro
                     dosear, quando tratar                                                                                 Hospitalar da
                                                                                                                           Universidade de
                                             “O melhor método de rastreio da deficiência de vitamina D é o                 Coimbra (CHUC).
                                             doseamento da concentração sérica de 25-hidroxivitamina D”,
                                             explica a endocrinologista.

Sofia
Gouveia

Para a maioria da população, cerca       maior semivida, maior concentração       DEFICIÊNCIA     Endocrine  Institute     Para o tratamento da deficiência
de 80-90% da vitamina D circulante       e reflecte com maior precisão                            Society    of Medicine   de vitamina D deve optar-se
é obtida através da síntese cutânea      estados de deficiência ou intoxicação                                             preferencialmente pelo colecalciferol
mediada pela acção da radiação           por vitamina D. O doseamento                             <20 ng/mL  <12 ng/mL     oral administrado com frequência
UVB. A restante vitamina D provém        da 1,25-dihidroxivitamina D                                                       diária ou semanal. É possível optar
da dieta, caso inclua em quantidade      aparenta ser mais adequado num           INSUFICIÊNCIA/  20-29 ng/mL 12-20 ng/mL  por esquemas terapêuticos com
suficiente peixes gordos (salmão,        conjunto restrito de situações,          RISCO DE        30-100 ng mL >20 ng/mL   doses fixas ou tituladas em função
atum, cavala, sardinha), óleo de fígado  nomeadamente em doentes                  INSUFICIÊNCIA                            das características do doente e da
de bacalhau, ovos, cogumelos ou          com raquitismo hipofosfatémico,                                                   monitorização da concentração de
alimentos artificialmente enriquecidos   raquitismo resistente à vitamina D,      ADEQUADO                                 25-hidroxivitamina D. Os análogos
com vitamina D. O aporte diário de       osteomalacia oncogénica ou doença                                                 e as formas activas de vitamina
vitamina D recomendado para a            granulomatosa.                           diferenças na determinação da            D não devem ser utilizados neste
população geral é de 400 UI durante      Não se preconiza o rastreio universal    prevalência da deficiência de vitamina   contexto, atendendo ao risco de
o primeiro ano de vida, 600 UI           da deficiência de vitamina D. As         D e na selecção dos doentes com          toxicidade aumentado.
até aos 70 anos e 800 UI a partir        recomendações das diferentes             indicação terapêutica.
desse limiar de idade. Na ausência       sociedades científicas não são
de exposição solar adequada,             coincidentes relativamente aos grupos                                             Manuel Teixeira
torna-se difícil obter a dose diária     de risco a avaliar. A Endocrine Society                                           Veríssimo
recomendada através da alimentação       defende que devem ser rastreados
sem recorrer a suplementos.              os indivíduos com antecedentes                           Vitamina D na população idosa
A modificação de comportamentos,         de osteoporose, raquitismo,
particularmente a redução das            osteomalacia, hiperparatiroidismo,       O aporte de vitamina D é deficien-       ção sempre que há sinais de carên-
actividades realizadas ao ar livre e a   insuficiência renal e/ou hepática,       te na maior parte dos idosos e os        cia de vitamina D.
aplicação frequente de protector solar,  síndromes de mal absorção,               portugueses não são excepção. Há         Durante muito tempo, o défice de
bem como a escassez de alimentos         doenças granulomatosas, linfoma          várias razões que justificam esta        vitamina D surgia associado, es-
com teor significativo de vitamina D     e obesidade. São igualmente              carência, desde logo a alimentação       sencialmente, à doença óssea, no-
terá contribuído para o agravamento e    candidatos ao rastreio as mulheres       pobre em vitamina D e, por outro         meadamente à osteomalacia e à
globalização deste problema.             grávidas ou a amamentar, idosos          lado, a fraca exposição solar.           osteoporose. No entanto, a vitamina
Para que possa exercer as suas           com antecedentes de quedas de            Sabemos hoje que a vitamina D é          D é também muito importante na
acções biológicas, a vitamina D          repetição e/ou de fracturas não          fundamental para o equilíbrio da         prevenção das quedas, uma vez que
necessita de ser submetida a uma         traumáticas, indivíduos hispânicos       saúde das pessoas, nomeadamen-           aumenta a capacidade de equilíbrio
primeira hidroxilação a nível hepático   ou de raça negra e sob terapêutica       te dos idosos. Exerce funções a          e a tonicidade muscular.
por acção da 25-hidroxilase e            com fármacos que interfiram com          diversos níveis, desde a capacida-       A atitude mais correcta passa pela
requer uma segunda hidroxilação          o metabolismo ou absorção da             de e tonicidade muscular, o equilí-      avaliação individual de cada idoso e,
maioritariamente a nível renal           vitamina D.                              brio, a resistência óssea e sabe-se      perante a evidência de falta de vita-
por intermédio da 1α-hidroxilase,        Não foi possível, até ao momento,        também que tem, inclusivamente,          mina D, então deve ser introduzida
originando a forma activa                alcançar um consenso relativamente       algum tipo de relação com doen-          suplementação. Embora saibamos
(1,25-dihidroxivitamina D).              ao ponto de corte da concentração        ças infecciosas e até com a própria      que quase todos os idosos têm de-
O melhor método de rastreio              sérica de 25-hidroxivitamina D. O        demência. A vitamina D é algo que        ficiência de vitamina D, pelo que, se
da deficiência de vitamina D é o         Institute of Medicine (secundado         se julga ser muito importante para a     optássemos pela suplementação
doseamento da concentração               pela National Osteoporosis               saúde das pessoas idosas, por isso,      generalizada, não estaríamos a co-
sérica de 25-hidroxivitamina D. A        Society) considera níveis de             faz sentido recorrer à suplementa-       meter um grande erro.
25-hidroxivitamina D é o indicador       25-hidroxivitamina D adequados se
ideal das reservas corporais             superiores a 20 ng/mL, por oposição
de vitamina D na medida em               ao limiar de 30 ng/mL recomendado
que, comparativamente com a              pela Endocrine Society. Pontes de
1,25-dihidroxivitamina D, apresenta      corte distintos vão condicionar

JORNAL MÉDICO – em | FOCO GERIATRIA
   5   6   7   8   9   10   11   12   13   14   15