Covid-19: Luz verde para uso de dexametasona em doentes que precisam de ventilação
DATA
01/10/2020 11:37:31
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Luz verde para uso de dexametasona em doentes que precisam de ventilação
A Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu parecer favorável ao uso de dexametasona em doentes com Covid-19 que necessitem de suporte ventilatório, anunciou o Infarmed.

Segundo uma nota da Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, a decisão da EMA surge na sequência da revisão dos resultados do estudo RECOVERY, que envolveu o uso deste medicamento no tratamento de doentes com Covid-19 internados.

No parecer, a EMA considera a dexametasona “uma opção de tratamento para os doentes que necessitam de suporte ventilatório (desde a administração suplementar de oxigénio até à ventilação mecânica)”, refere a nota.

A dexametasona é um medicamento corticosteroide – que começou a ser considerado como um potencial tratamento para a covid-19 devido à sua capacidade para reduzir a inflamação – que desempenha uma ação relevante no desenvolvimento da doença em alguns doentes com covid-19 admitidos nos hospitais.

O Infarmed diz ainda que o parecer da EMA abrange “a possibilidade de utilização da dexametasona em adultos e adolescentes (a partir dos 12 anos de idade e que pesem pelo menos 40 kg) que requerem terapia suplementar com oxigénio”.

“A dexametasona poderá ser administrada por via oral ou sob a forma de uma injeção ou perfusão (gota a gota) numa veia. Em qualquer uma das situações, a dose recomendada nos adultos e adolescentes é de 6 mg uma vez por dia, por um período que se pode estender até 10 dias”, explica.

O Infarmed informa ainda que “as empresas que comercializam medicamentos contendo dexametasona podem, agora, solicitar a inclusão desta nova indicação terapêutica para os seus medicamentos, submetendo um procedimento para este efeito às autoridades nacionais de medicamentos ou à EMA”.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas