Margarida Ferro: estigma acerca da epilepsia reflete-se em "menor ambição e baixa-autoestima" nos doentes
DATA
08/05/2023 10:47:15
AUTOR
Margarida Ferro
ETIQUETAS

Margarida Ferro: estigma acerca da epilepsia reflete-se em "menor ambição e baixa-autoestima" nos doentes

Leia o artigo de opinião da autoria de Margarida Ferro, Interna de Formação Específica de Neurologia e membro da Liga Portuguesa Contra a Epilepsia (LPCE), a propósito dos desafios que os doentes com epilepsia enfrentam, nomeadamente no local de trabalho.  Estima-se que mais de 50 milhões de pessoas de todas as idades sofram de epilepsia no mundo, sendo o quarto distúrbio neurológico mais comum globalmente. Em Portugal, entre 40 mil a 70 mil pessoas terão epilepsia, o que equivale a cerca de uma pessoa em cada 200. Do ponto de vista laboral, pode existir a necessidade de adequar as condições de trabalho e tarefas às características particulares do tipo de crises de cada pessoa com epilepsia, mas trata-se de situações excecionais. Por outro lado, são poucas as profissões que são desaconselhadas a quem tem epilepsia.

 

Por favor faça login ou registe-se para aceder a este conteúdo

Sejam Felizes
Editorial | António Luz Pereira, vice-presidente da APMGF
Sejam Felizes

O início de cada ano é também o início do percurso de milhares de novos médicos. A todos, mas especialmente aqueles que como nós escolheram como futuro ser Médico de Família, queremos receber-vos com um desejo e um desafio. Que sejam felizes e façam com que aqueles que se cruzam convosco sejam felizes. Desejamos profundamente que este internato de formação específica em MGF seja um caminho de felicidade. Que se sintam totalmente realizados por terem escolhido a melhor especialidade do mundo. Que sejam felizes no internato, para que possam ser ainda mais felizes fora dele.

Mais lidas