Jornal Médico Grande Público

Importância do selénio e da COQ10 como promotores do envelhecimento saudável
DATA
11/03/2019 11:24:44
AUTOR
Ana Paula Marum
ETIQUETAS


Importância do selénio e da COQ10 como promotores do envelhecimento saudável

A nível biológico, o envelhecimento no sentido da senescência associa-se à acumu­lação de vários tipos de danos e lesões moleculares e celulares, aleatórios e progres­sivos, que levam à perda das reservas fisiológicas.

Com elas aumenta o risco de morbi­lidade e cancro associados ao envelhecimento. A realidade estatística 1 do exponencial envelhecimento populacional (esperança média de vida 81 anos com 18% da população acima de 65 anos) confronta-nos com outro problema: o incremento da morbilidade e da malignidade. E aqui chamo a atenção de que muitos dos mecanismos biológicos intrínsecos do envelhecimento são comuns aos do cancro.

Daí, promover o envelhecimento saudável é como prevenir o cancro assim como todas as restantes doenças crónicas degenerativas associadas à idade.

A teoria molecular-celular do envelhecimento, segundo Weinert e Timiras 2, des­creve a senescência decorrente de fatores como: encurtamento dos telómeros, morte celular programada, ação nefasta das espécies reativas do oxigénio (ERO), da glicação entre outras.

À parte de teorias descritas, já que todas elas são mecanismos biológicos inter­venientes no envelhecimento, no fundo tudo se resume a uma balança: equilíbrio oxi­dação / proteção antioxidante (AO), pois são as ERO mediadoras dos danos celulares e moleculares.

Quando se perde este equilíbrio redox o organismo entra em stress oxidativo, trigger de toda a doença crónica degenerativa, envelhecimento e cancro. As enzimas com fun­ção antioxidante são todas dependentes de micronutrientes catalisadores. O selénio (Se) para a Glutationa Peroxidase (GPX), o zinco, cobre e manganês para a superóxido dismutase (SOD).

No idoso, na doença associada a elevado stress oxidativo, deve-se garantir uma adequada repleção em Se das selenoproteínas antioxidantes como a GPX e as tiorexinas redutases (recuperam importantes vitaminas antioxidantes). O Se é amplamente en­contrado nos alimentos de origem animal (selenocisteína de baixa biodisponibilidade) e origem vegetal (selenometionina a forma mais recomendada com biodisponibilidade de 85-100%), mas o seu teor é totalmente dependente do teor dos solos e o empo­brecimento geofísico é causa de défice populacional 3. Estudos em solos portugueses 4 demonstraram significativa carência em Se e outro estudo 5 com a população portuguesa demonstrou uma ingestão inadequada em selénio 6. O valor de referência nutricional (VRN) é 55ug e o estudo mostrou uma ingestão média de 30-40 mcg /dia. Uma chamada de atenção para o risco de patologia com uma ingestão crónica inferior a 30 ug. A dose de suplementação de 100 mcg parece ser consensual e segura.

Nos últimos 10 anos, com a descoberta de polimorfismos associados aos genes das selenoproteínas deu-se mais relevância ao selénio 7 como AO. O baixo nível de selênio tem sido associado a aumento do risco de mortalidade, baixa função imunológica e de­clínio cognitivo. Um bom status em selénio é essencial para a reprodução bem-sucedida e para redução do risco de doença autoimune da tiroide 8. Os benefícios da suplementa­ção em selénio estão comprovados especialmente quando há défice. Em caso de dúvida deve-se pedir o doseamento das selenoproteínas séricas ou do Se eritrocitário.

O que carateriza uma célula envelhecida/degenerada em termos energéticos, é a perda da capacidade aeróbica de produzir ATP mitocondrial. Quer isto dizer que a barreira que separa a célula saudável da célula cancerosa é a eficiente capacidade de produção de energia de forma aeróbica na mitocôndria versus produção ineficiente de energia de forma anaeróbica no citoplasmática.

Assim o segredo do envelhecimento saudável e da prevenção do cancro é manter saudáveis as nossas mitocôndrias. A COQ10 é o mais poderoso AO da mitocôndria. COQ10 é um potente protetor de todas as membranas celulares, evitando a lipoperoxidação 9.

Enquanto jovens e saudáveis temos a capacidade de repor e manter os níveis de concentração adequados de COQ10 no corpo. Mas no idoso, nas doenças crónicas com elevado stress oxidativo, com medicação inibidora das enzimas que produzem COQ10 há carência comprovada. Recorde-se que a enzima-alvo das estatinas (HMG-CoA redutase) é a mesma que produz COQ10.

Nestas condições, estudos comprovam o benefício da suplementação 10.

O défice de COQ10 é um fator preditivo de mortalidade na insuficiência cardíaca congestiva e os sobrevenientes de enfarte agudo do miocárdio (EAM) têm concentra­ções mais elevadas de COQ10 11–13. A COQ10 tem um perfil de segurança muito alto, não lhe foram encontrados efeitos adversos mesmo nas doses mais alta nem interações medicamentosas 14. Dose recomendada de 100mg é consensual.

Para eficiente regeneração da molécula COQ10 (ciclo de regeneração Ubiquinona/ Urbiquinol-forma oxidada/reduzida da COQ10) é importante a presença de selenoprotei­nas repletas em selénio. Por outro lado, a presença do CO10 é importante para síntese ótima das enzimas que contêm selenocisteina. Este ciclo explica a interdependência e a sinergia destes dois AO.

Estudos como o KiSel-10 15–18 usaram esta suplementação combinada com resultados significativos na saúde cardiovascular e na qualidade de vida do idoso19,20.

 BIBLIOGRAFIA

  1. 1. Instituto Nacional de Estatística. Mantém-se o agravamento do envelhecimento demográfico, em Portugal, que só tenderá a estabilizar daqui a cerca de 40 anos. Destaques. 2017;(2015):1-19.
  2. 2. Weinert BT, Timiras PS. Invited Review: Theories of aging. J Appl Physiol. 2015;95(4):1706-1716.
  3. 3. Stoffaneller R, Morse NL. A review of dietary selenium intake and selenium status in Europe and the Middle East. Nutrients. 2015;7(3):1494-1537.
  4. 4. Galinha C, Sánchez-Martínez M, Pacheco AMG, et al. Characterization of selenium-enriched wheat by agronomic biofortification. J Food Sci Technol. 2014;52(7):4236-4245.
  5. 5. Rosado C, Miranda A, S. A, R. Tavares N, Costa S. Zinc intake and serum levels in Portuguese women living in Lisbon area. J Biomed Biopharm Res. 2017;11(2):201-206.
  6. 6. Pavão ML, Nève J, Santos MC, et al. Trace Element Status (Se, Cu, Zn) in Healthy Portuguese Subjects of Lisbon Population: A Reference Study. Biol Trace Elem Res. 2004;101(1):01-18.
  7. 7. Rayman MP. Selenium and human health. Lancet. 2012;379(9822):1256-1268.
  8. 8. Esteves C, Neves C, Carvalho D. O selénio e a tiróide. Arq Med. 2012;26(4):149-153.
  9. 9. Opinion S. Scientific Opinion on the substantiation of health claims related to coenzyme Q 10 and contribution to normal energy-yielding metabolism ( ID 1508 , 1512 , 1720 , 1912 , 4668 ), maintenance of normal blood pressure ( ID 1509 , 1721 , 1911), protection of. EFSA J. 2010;8(1924):1-27.
  10. 10. Qu H, Guo M, Chai H, Wang WT, Ga ZY, Shi DZ. Effects of coenzyme Q10 on statin-induced myopathy: An updated meta-analysis of randomized controlled trials. J Am Heart Assoc. 2018;7(19):1-11.
  11. 11. Pella D, Kumar A, Rosenfeldt F, et al. The Effect of Coenzyme Q 10 on Morbidity and Mortality in Chronic Heart Failure. JACC Hear Fail. 2014;2(6):641-649.
  12. 12. Potgieter M, Pretorius E, Pepper MS. Primary and secondary coenzyme Q10 deficiency: The role of therapeutic supplementation. Nutr Rev. 2013;71(3):180-188.
  13. 13. Ezekowitz JA. Time to Energize Coenzyme Q 10 for Patients With Heart Failure? *. JACC Hear Fail. 2014;2(6):650-652.
  14. 14. Shen DD, Linke L, Ahmad S, et al. Coenzyme Q10 dose-escalation study in hemodialysis patients: safety, tolerability, and effect on oxidative stress. BMC Nephrol. 2015;(1):2-9.
  15. 15. Alehagen U, Johansson P, Björnstedt M, Rosén A, Dahlström U. Cardiovascular mortality and N-terminal-proBNP reduced after combined selenium and coenzyme Q10 supplementation: A 5-year prospective randomized double-blind placebo-controlled trial among elderly Swedish citizens. Int J Cardiol. 2013;167(5):1860-1866.
  16. 16. Alehagen U, Aaseth J, Johansson P. Reduced cardiovascular mortality 10 years after supplementation with selenium and coenzyme q10 for four years: Follow-up results of a prospective randomized double-blind placebo-controlled trial in elderly citizens. PLoS One. 2015;10(12):1-16.
  17. 17. Johansson P, Aaseth J, Svensson E, Lindahl TL, Alehagen U. Levels of sP-selectin and hs-CRP Decrease with Dietary Intervention with Selenium and Coenzyme Q10 Combined: A Secondary Analysis of a Randomized Clinical Trial. PLoS One. 2015;10(9):e0137680.
  18. 18. Johansson P, Dahlström, Dahlström U, Alehagen U. Improved health-related quality of life, and more days out of hospital with supplementation with selenium and coenzyme Q10 combined. Results from a double blind, placebo-controlled prospective study. J Nutr Heal Aging. 2015;19(9):870-877.
  19. 19. Alehagen U, Aaseth J, Alexander J, Johansson P. Still reduced cardiovascular mortality 12 years after supplementation with selenium and coenzyme Q10 for four years: A validation of previous 10-year follow-up results of a prospective randomized double-blind placebo-controlled trial in elderly. PLoS One. 2018;13(4):1-15.
  20. 20. Alehagen U, Aaseth J, Alexander J, Svensson E, Johansson P, Larsson A. Less fibrosis in elderly subjects supplemented with selenium and coenzyme Q10—A mechanism behind reduced cardiovascular mortality? BioFactors. 2018;44(2):137-147.
Relatório Primavera: verdades e consequências
Editorial
Rui Nogueira
Relatório Primavera: verdades e consequências

“Ó Costa aguenta lá o SNS” foi o pedido de António Arnaut em maio do ano passado, poucos dias antes de nos deixar. Mas o estado da saúde em Portugal está mal ou bem ou vai indo? Está melhor ou pior? O SNS dá as respostas úteis às necessidades de saúde da população? O Relatório de Primavera ajuda a fazer interpretações fundamentadas.

news events box

Mais lidas