Carl Steylaerts... Legado
DATA
08/11/2011 09:28:05
AUTOR
Jornal Médico
Carl Steylaerts... Legado

Ao entrar na sexta década da minha vida, apercebi-me de que, enquanto médico de família (MF), também eu estou a  reunir um legado. Algum conhecimento, uma atitude, alguns desejos futuros e outros tantos pensamentos pragmáticos

 

carl.jpgDepois da Conferência da WONCA Mundial 2007, em Singapura, a minha mulher e eu viajámos pela Malásia e um dia visitámos Penang (também conhecida como Georgetown). Encontrámos um alojamento fabuloso na Mansão Azul: a verdadeira evidência da serenidade! Para ser honesto, não me interesso por edifícios ou pedras antigas, mas sim por pessoas e ideias. Como tal, esta é a história de Cheong Fatt Tze (1840-1916).

cronica_carl_steylaerts_02_221.jpg

 Cheong Fatt Tze (1840-1916)

 

Era um rapaz do campo que se tornou num mandarim do imperador chinês e também ficou conhecido como o Rockefeller do Oriente. Tinha várias mansões e várias mulheres para ocupar essas mansões. Era sabido que gostava particularmente da sua mulher mais nova e que, aquando da sua morte, ela herdou a Mansão Azul em Penang, a par de 250 dólares, uma quantia muito elevada naquela época.

O que ele não previu foi a inflação que fez com que tal quantia valesse muito pouco, pelo que a viúva teve que alugar alguns quartos da mansão e, como não tinha dinheiro para a mandar reparar, o estado da mansão foi decaíndo.

Cheong cometeu um grande erro. Mas os turistas e viajantes como nós gostamos desse facto.

Ao entrar na sexta década da minha vida, apercebi-me de que, enquanto médico de família (MF), também eu estou a  reunir um legado. Algum conhecimento, uma atitude, alguns desejos futuros e outros tantos pensamentos pragmáticos. Como comunidade, partilhamos essa herança. Pedaços de conhecimento, diferentes atitudes, muitos desejos futuros e os mesmos pensamentos pragmáticos.

Partilhamos realmente?

Quando me encontro com pessoas mais novas, acabo por parecer o meu pai a falar... Os seus desejos e pensamentos pragmáticos são muito diferentes dos meus quando eu tinha a idade deles: 20 e poucos anos. Mas, tenho que admitir, fui um dos últimos resultantes do babyboom, nasci bem antes do aparecimento dos computadores, como tal, sou um imigrante digital. Tentei ser um pioneiro da era digital, continuo a ser membro do WONCA Informatics Working Party mas, por exemplo, o Facebook para mim está perdido... Demasiado bidimensional para mim. Porém, 0,5 mil milhões de pessoas não podem estar erradas. Ou podem?

O meu "legado-de-250-dólares" quase não vale nada.

Conhecimento? Os mais novos estão melhor formados e informados.

Atitude? O mundo mudou e vai mudar ainda mais.

Desejos futuros? Os deles estão muito mais actualizados.

Pensamentos pragmáticos? Eles são experts nesta área.

Acho que começo a compreender o meu pai...

Mas, encaremos os factos: os médicos podem mudar, mas as histórias dos doentes não mudam. Apresento-vos a Melinda, "chien perdu sans collier" - "uma cadela perdida sem coleira". Fugas, drogas, pronografia/prostituição, filhos sob supervisão judicial, várias tentativas de suicídio, um diagnóstico boarderline, talvez... Que tipo de cuidado dará melhores resultados - através de que padrões e indicadores?

Apresento-vos, ainda, o Bilal. Fibromialgia, diabetes e cancro. Uma doença de progressão lenta e de baixa prevalência, uma doença de progressão lenta e alta prevalência e uma doença de rápida progressão, altamente incapacitante e de baixa prevalência: como gerir?

Como se geria há uns anos, como gerimos hoje em dia, como é expectável e desejável a sua gestão no futuro?

Vamos tentar com análises de tendências de impacto, de impacto cruzado, jogos de simulação, um pouco de análise causal misturada com análise estrutural, ou talvez a perspectiva sistémica ajude... E como sobremesa, um rasgo genial (quase vidente) de previsão. Tudo rematado com um mapa/modelo. Feito.

Desta forma, podemos iludir a ilusão de deixarmos um legado para transmitir no final da nossa viagem. Vamos habitar as nossas estruturas com novos e velhos e pessoas muito experientes. Vamos organizar jogos e brainstorms, jogos de análise e simulação... e vamos fazê-lo todos os dias.

Estão abertos os jogos!

 

 Carl Steylaerts, MD
Tesoureiro honorário da WONCA Europa

 

 

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas