Partilhando conhecimento
DATA
27/09/2011 07:12:51
AUTOR
Jornal Médico
Partilhando conhecimento

Antes de ir para a conferência da WONCA Europa, em Málaga, visitei um amigo belga, que é médico de família (MF) em Espanha. De um ponto de vista científico, podemos dizer que ele mora num ermo. Nessa ocasião, perguntou-me como conseguir uma boa educação médica contínua (EMC). Ele fala seis línguas

 

 

Antes de ir para a conferência da WONCA Europa, em Málaga, visitei um amigo belga, que é médico de família (MF) em Espanha. De um ponto de vista científico, podemos dizer que ele mora num ermo. Nessa ocasião, perguntou-me como conseguir uma boa educação médica contínua (EMC). Ele fala seis línguas.
Há uns anos, também eu me questionei nesse sentido.
O professor Wes Fabb, antigo CEO da WONCA, coloca a questão da seguinte forma: “será possível responder a 95% das questões que surgem aos MF na sua prática clínica diária?”. A resposta é: “sim, é possível. Mas não num único sítio. E também não é possível on-line, no gabinete de consulta. Ainda”.
Em 1997 recebi um presente de Ola Lilleholt, um prestigiado MF norueguês: o Handbok for spesialistutdanningen i allmenmedisin, da autoria de Linn Getz e Steinar Westin. No mesmo ano, o professor Westin também produziu o Allmennmedisin, Klinisk Arbeid. Infelizmente, não percebo uma palavra de Norueguês, mas, acredito que estas obras contêm o corpo da nossa especialidade! O colégio norueguês de Medicina Geral e Familiar (MGF) está actualmente a colaborar com o congénere dinamarquês no sentido de massificar o acesso ao livro de Westin. Esforço semelhante está a ser desenvolvido pelo colégio francês.
Por sua vez, o colégio holandês produz uma série de interessantes livros sobre o estado da arte, que os meus formandos adoram. Por exemplo: sobre procedimentos terapêuticos e farmacológicos (como a remoção de uma unha). Na Escócia, o Royal College of General Practitioners tem o nPEP – Projecto de Avaliação Faseada. Através deste modelo, as lacunas na formação/conhecimento médico podem ser facilmente identificados, o que permite direccionar mais facilmente as áreas a melhorar com a EMC. A variante inglesa deste sistema é o ePortfolio.
De uma forma geral, todos os colégios de MGF produzem conteúdos de excelente qualidade para os seus membros e imagino quão difícil seria centralizar toda esta informação num único sítio: o spot da WONCA. Se pensarmos bem, a remoção de uma unha não difere de país para país e no que toca à hipertensão, apesar de diferir em termos de raça e idade, quase todos os MF trabalham num ambiente multicultural e étnico, pelo que este tipo de conhecimento acaba por ser importante.
Não seria espectacular ter uma espécie de competição europeia ou mundial para ver quem é capaz de produzir o melhor ambiente digital de aprendizagem? Acho que a única coisa capaz de impedir tal esforço é tão velho quanto Babel: a barreira linguística! E, importa salientar, algumas barreiras culturais, também.
Se perguntássemos a crianças de seis anos em quantas linguagens gostariam elas de poder manifestar a sua fome, sede e outras vontades fundamentais – e lhes dessemos a hipótese de responder entre uma a seis línguas – a resposta seria tão sugestiva quanto a questão: “nas menos possível!”. Numa ou duas línguas, de preferência: na língua mãe e numa meta-linguagem. Mas qual escolher? Lingala1  (os europeus teriam uma vantagem)? Mandarim (é já falado por mais de 1,3 mil milhões de pessoas)? Esperanto?
Ok... O melhor é optar por aquela que é a seguinte melhor opção: um site multilinguístico. Porque não somos crianças de seis anos, nem tão sábios... Façamos vídeos no YouTube (como  aqueles que estão acessíveis em www.ted.com), com o máximo de 20 minutos de duração, mostrando atitude e conhecimento. Excelente! Abstracts de antigos congressos, uma pequena enciclopédia de todas as dúvidas com que os MF se vão deparando, um canto nPEP, e aquilo que 95% dos MF usam diariamente: a sua experiência.
A WONCA representa esta partilha de conhecimento, seja em conferências, grupos de interesse e de trabalho e encontros de académicos de todo o mundo. Não há melhores professores no mundo do que os congressistas da Wonca Malaga 2010 para nos ensinarem a usar os nossos valores nucelares e o nosso core business!

DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Editorial | Rui Nogueira, Médico de Família e presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar
DESconfinar sem DISconfinar: Um desafio para inovar e aproveitar a oportunidade
Depois de três meses de confinamento é necessário aceitarmos a prudência de DES”confinar sem DISconfinar. Não vamos querer “morrer na praia”! As aprendizagens da pandemia Covid-19 são uma ótima oportunidade para acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. O estado de emergência e o estado de calamidade ensinaram-nos muito! É necessário desconfinar o centro de saúde com uma nova visão e reinventar o conceito com unidades de saúde aprendentes e inovadoras.

Mais lidas