Administração Regional de Saúde vai abrir vagas para médicos de família em Setúbal
DATA
11/03/2015 09:49:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Administração Regional de Saúde vai abrir vagas para médicos de família em Setúbal

medicos1

O presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARS-LVT) afirmou ontem que vão existir vagas para médicos de família nos concelhos da Península de Setúbal no próximo concurso.

"Vamos abrir vagas para médicos de família no próximo concurso, para as zonas mais carenciadas e a Península de Setúbal é uma delas. As vagas vão existir, agora não posso garantir é que vão ser ocupadas", disse à Lusa Luís Cunha Ribeiro.

Luís Cunha Ribeiro reuniu ontem com deputados do PSD de Setúbal, que pretendiam a garantia de que iriam existir vagas no próximo concurso para a região, em especial para Almada e Seixal.

"Não posso dar essa garantia, porque não é fácil de prever. O que posso garantir é que vão existir vagas, para várias zonas, e que espero que sejam ocupadas", defendeu.

Os social-democratas ficaram satisfeitos com a existência de vagas para médicos de família que vai contemplar os concelhos de Almada e Seixal, tendo em conta a necessidade de colmatar os mais de 61 mil frequentadores sem médico de família.

"Será dado mais um passo para que a população de Almada e Seixal possa ficar coberta ao nível de médicos de família, mas será muito difícil resolver este problema nos próximos tempos", afirmou o deputado social-democrata Nuno Matias, considerando que esta é uma "situação urgente que que necessita de resposta imediata".

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas