Ordem dos Médicos diz que 15 mil utentes do Norte vão ficar sem médico de família
DATA
09/01/2015 17:00:11
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Ordem dos Médicos diz que 15 mil utentes do Norte vão ficar sem médico de família

Consulta01

O Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médicos (CRNOM) alertou hoje que 15 mil utentes vão ficar médico de família devido às 21 vagas alocadas à região no concurso para profissionais de Medicina Geral e Familiar.

“Serão cerca de 15 mil utentes a quem foi atribuído um médico de família que voltarão a não ter quem os acompanhe”, lamenta o CRNOM em comunicado, explicando que o concurso que hoje termina retira ao Norte oito médicos.

O CRNOM explica que, em Outubro, “terminaram a formação específica em Medicina Geral e Familiar” 29 internos que assumiram de imediato “ficheiros de utentes”, apresentaram-se como “os seus novos médicos de família” e começaram a “estudá-los e acompanhá-los”.

Agora, no concurso que hoje termina para assinatura de contratos vinculativos, o Norte fica apenas com 21 vagas, alerta a entidade representante dos médicos do Norte.

Considerando estar em causa “uma falta de respeito para com os doentes e para com os profissionais de saúde”, a ordem dos médicos do Norte avisa ter por intenção “desenvolver todos os esforços para defender os doentes e combater a ilegalidade e falta de equidade deste tipo de concursos”.

“O CRNOM considera inaceitável a retirada de recursos necessários no Norte do país para outras regiões, obrigando recém-especialistas a saírem de locais onde são necessários e onde assumiram já listas de utentes, que se verão de novo sem médico de família”, escreve-se no comunicado.

A ordem dos médicos do Norte avisa ainda que esta região é “a única que aloca profissionais recém-especialistas após a conclusão do internato para locais onde há falta de médicos de família enquanto aguardam colocação definitiva”.

O CRNOM sublinha que, “pela primeira vez, a responsabilidade destes concursos ficou sediada na Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS)”, entidade que, no “documento justificativo de atribuição de vagas pelas várias Administrações Regionais de Saúde (ARS), assume que o Norte tem uma carência de 144 médicos de família.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas