MulherEndo empenhada em reduzir o tempo de diagnóstico correto de endometriose
DATA
08/03/2022 16:06:23
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


MulherEndo empenhada em reduzir o tempo de diagnóstico correto de endometriose

A MulherEndo - Associação Portuguesa de Apoio a Mulheres com Endometriose organiza a sessão digital “EsclarecEndo – A mulher no centro do tratamento da Endometriose” dirigido a profissionais de saúde. Em entrevista, a fundadora Susana Fonseca adverte para importância da valorização das queixas das mulheres.

De acesso livre, o webinar decorre no dia 10 de março, às 21h, e pretende sensibilizar e esclarecer dúvidas não só das mulheres.

“Este webinar é focado no tratamento da doente de forma multidisciplinar”.  E mesmo que o tratamento não esteja na esfera de certos profissionais de saúde, estes “podem depois partilhar algumas ferramentas que ajudarão de forma imediata as doentes a viver melhor com o quadro que têm”, explica Susana Fonseca, fundadora da MulherEndro.

A MulherEndo considera essencial começar por desmistificar a ideia de que dor menstrual é algo comum, sobretudo quando a dor incapacita uma mulher no seu dia-a-dia, esta não pode ser normalizada. Como sublinha Susana Fonseca: “É importante valorizar as queixas das mulheres”, nomeadamente nos relatos de dores incapacitantes, problemas intestinais associados ao período menstrual, entre outras queixas, “é preciso ver o que é se passa com aquela mulher. É preciso ajudá-la”, acrescenta.

Assim sendo, como fundadora da associação e doente, Susana Fonseca considera essencial que sejam fornecidas ferramentas aos profissionais de saúde para facilitar o diagnóstico e tratamento da endometriose.

A título de exemplo, no caso de Susana Fonseca, o diagnóstico de endometriose demorou cerca de 15 anos, obrigando-a a várias consultas e recorrer a diferentes médicos.

O webinar contará com a presença de especialistas das áreas de Ginecologia, Cirurgia, Fisioterapia, Nutrição e Psicologia.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.