2as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto
DATA
22/07/2019 16:40:44
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


2as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto

A CUF Academic and Research Medical Center promove no dia 23 de novembro as 2as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto. O Jornal Médico falou com o chairman do evento e coordenador das unidades de reumatologia do Hospital CUF Porto e Instituto CUF Porto, Filipe Brandão, sobre os objetivos e tema das jornadas.

JORNAL MÉDICO (JM) | Como surgiram as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto?

FILIPE BRANDÃO (FB) | Na sequência do enorme sucesso das 1as Jornadas de Reumatologia das Unidades CUF Porto, estas 2as Jornadas surgiram da necessidade de continuar a transmitir, à população médica, a atividade clínica desenvolvida por estas Unidades, no que diz respeito ao diagnóstico e tratamento dos doentes com patologia reumatológica, de acordo com os mais elevados padrões de excelência recomendados pelas sociedades científicas europeias e mundiais.

JM | O que é que os inscritos podem esperar da sua participação neste evento?

FB | Os dois principais problemas no diagnóstico e tratamento das doenças reumatológicas são o atraso na referenciação e a dificuldade no acesso dos doentes à consulta da especialidade. Ora, através destas Jornadas pretendemos contribuir para a otimização na referenciação dos doentes para a especialidade de Reumatologia, apresentando, de forma atualizada, os critérios que poderão conduzir a um diagnóstico mais precoce, o que permitirá, obviamente, uma maior eficácia no seu tratamento. Por outro lado, pretendemos também demonstrar que as Unidades de Reumatologia CUF Porto dispõem dos recursos técnicos e humanos necessários para diagnosticar e tratar todo o tipo de doenças reumatológicas, independentemente da sua gravidade e/ou cronicidade.

JM | Quais serão os principais temas a ser discutidos?

FB | Na sua génese, as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto serão sempre mono-temáticas, pelo que, desta vez, o tema será Espondilartrites. Este conjunto de doenças reumatológicas apresenta caraterísticas muito próprias, nomeadamente ao nível da sua fisiopatologia, o que tem conduzido a significativas alterações na sua classificação, abordagem diagnóstica e, como consequência, no seu tratamento. Por outro lado, nas Espondilartrites são muito frequentes as manifestações extra-articulares, muito particularmente na pele, no olho e no tubo digestivo, pelo que optámos por elaborar um programa científico que incluísse a participação das especialidades de Dermatologia, Oftalmologia e Gastrenterologia. Desta forma, convidamos palestrantes que são, na sua especialidade, as principais referências nacionais no diagnóstico e tratamento deste tipo de manifestações.

Pretendemos, assim, proporcionar um programa de enriquecedor conteúdo científico, que será apresentado por um painel de palestrantes de excelência, pelo que temos a certeza de que os participantes irão ver satisfeitas todas as suas expetativas relativamente a este evento.

JM | Uma das particularidades deste evento é a ampla diversidade de especialidades que poderão auferir com a participação nas jornadas. Quão importante é para a reumatologia uma equipa multidisciplinar? 

FB | Por um lado, em muitas das doenças reumatológicas verificam-se manifestações de sobreposição com outras especialidades, como são exemplo as Espondilartrites. Por outro, julgamos que a melhor forma de sermos eficazes no diagnóstico e no tratamento dos nossos doentes é através da partilha de experiências com essas especialidades, de forma que cada uma delas possa colocar em prática a sua mais valia.

As inscrições para as 2as Jornadas das Unidades de Reumatologia CUF Porto podem ser feitas em: https://bit.ly/2JUJjmv

2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos
Editorial | Rui Nogueira
2020: Linhas de provocação de uma nova década com novas obrigações para novos contextos

Este ano está quase a terminar e uma nova década vai chegar. O habitual?! Veremos! Na saúde temos uma viragem em curso e tal como há 40 anos, quando foi fundado o Serviço Nacional de Saúde (SNS), há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções.

Mais lidas