Displaying items by tag: Universidade do Algarve

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) decidiu patrocinar o alargamento de vagas do curso de Medicina da Universidade do Algarve, atribuindo um apoio de 600 mil euros.

Published in Atualidade

A Universidade do Algarve (UAlg) está a estudar o uso da saliva na recolha de amostras para detetar o novo coronavírus. Segundo os investigadores, este é um método menos invasivo face ao clássico teste à mucosa do nariz.

Published in Atualidade

Investigadores do Centro de Investigação em Biomedicina (CBMR) da Universidade do Algarve (UAlg) participaram na descoberta de uma proteína que pode levar ao desenvolvimento de novos tratamentos contra diversos tipos de tumores.

Published in Atualidade
terça-feira, 15 janeiro 2019 16:19

UAlg participa em descoberta na área do cancro da bexiga

Investigadores do Centro de Investigação em Biomedicina (CBMR) da Universidade do Algarve (UAlg) participaram numa descoberta que poderá contribuir para o diagnóstico e tratamento do cancro da bexiga.

Published in Atualidade
quarta-feira, 19 dezembro 2018 11:44

Curso de Medicina da UAlg assinala 10 anos de existência

O mestrado integrado em Medicina da Universidade do Algarve (UAlg) assinala este ano 10 anos de existência. O curso distingue-se pelo investimento nas qualidades humanas dos alunos.

Published in Atualidade

Investigadores da Universidade do Algarve (UAlg), dez chefes de cozinha e uma empresa de cultivo de plantas halófitas estão a desenvolver um painel de novos produtos e a aperfeiçoar outros para introduzir estas plantas na rotina alimentar dos portugueses.

Published in Atualidade

Professor de Neurorradiologia da Universidade do Algarve (UAlg) está a implementar, em Portugal, uma técnica criada por uma equipa multidisciplinar que permite reduzir os riscos cirúrgicos na remoção de tumores na base do crânio.

Published in Atualidade

Universidade Algarve
A 8.ª edição do Mestrado Integrado de Medicina (MIM) da Universidade do Algarve (UAlg) tem candidaturas abertas até ao próximo dia 1 de fevereiro (mais informações aqui).

Este curso, centrado num método de aprendizagem inovador, Problem Based Learning (PBL), "conquistou definitivamente os alunos, que o consideram uma espécie de Eureka, há muito procurada", segundo relata, em comunicado, a instituição.

“Quando tive conhecimento do MIM-UAlg tive aquele momento: 'Eureka, é isto mesmo!'”, reforça Sérgio Esteves, 31 anos, licenciado em Fisioterapia e atualmente aluno do quarto ano do curso de Medicina da UAlg.

O aluno conta que “é sobretudo na metodologia que o curso de Medicina da UAlg é diferente, inovador e representativo de uma mudança de paradigma do ensino médico em Portugal”.

Consta que o modelo estruturante do curso, o PBL "utiliza um caso real e desconstrói-o até à sua essência", diferenciando-se assim dos modelos de ensino tradicionais. “Fazendo-o, leva-nos a estudar as ciências básicas e clínicas, mas de forma integrada, no contexto do caso clínico, e, assim, muito mais próximo da realidade que os futuros médicos vão encontrar nos hospitais e centros de saúde”, acrescenta Sérgio Esteves.

O curso tem uma vertente bastante prática, sendo que o contacto com doentes se inicia na segunda semana de aulas e é uma constante até ao último dia. “O contacto com os pacientes é algo sem par”, refere o aluno e acrescenta: “nos dois primeiros anos estamos um dia por semana em vários centros de saúde do Algarve, desenvolvendo um contacto fundamental com o que deve ser o centro da formação médica: os Cuidados de Saúde Primários”.

Já nos dois últimos anos (3.º e 4.º) iniciam-se as rotações hospitalares e os alunos estão diariamente no hospital, integrados nas equipas médicas dos vários serviços clínicos, com oportunidade de ter experiências em hospitais fora da zona algarvia. “Durante estes quatro anos já tive a oportunidade de estagiar no Centro Hospitalar do Algarve (em Faro e Portimão), no Hospital do Litoral Alentejano (Santiago do Cacém), no Hospital de Évora, no Hospital de Setúbal, no Hospital Ortopédico do Outão e no Hospital Garcia d’Orta (Almada), ao que se acresce ainda o Hospital Curry Cabral e o Hospital Amadora-Sintra onde estive em contexto de investigação", exemplifica Sérgio Esteves.

Estes quatro anos de rotações clínicas têm uma característica exclusiva: um rácio de um para um entre aluno e tutor clínico.

"O MIM-UAlg dispõe de variados e modernos modelos/simuladores clínicos que permitem praticar, simulando em segurança muitos dos procedimentos clínicos que um médico tem de denominar e que, posteriormente, serão aplicados em situações reais nos estágios", lê-se na nota de imprensa enviada à nossa redação.

Durante o curso, explica Sérgio Esteves, “somos confrontados com um desafio: realizar um Elective, que deverá ser um estágio médico numa realidade diferente daquela em que estamos normalmente incluídos, em áreas médicas distintas daquelas com que contactamos nos estágios curriculares, preferencialmente fora de Portugal”.

Assim, durante oito semanas, este aluno realizou o seu Elective para fora da Europa, em Jerusalém, capital de Israel, numa região fundamentalmente distinta, geográfica, cultural e socialmente. “A oportunidade de observar e de praticar medicina num país como Israel, de testemunhar de perto a confluência de culturas e de credos aparentemente tão incompatíveis e, ainda assim, ter sido tão bem recebido no seio da comunidade israelita (não apenas a médica), ajudou-me a desenvolver uma faceta mais compreensiva e tolerante, que será certamente muito útil durante a minha carreira médica", afirma.

De salientar que na edição 2015 do U-Multirank, a Universidade do Algarve registou os melhores resultados a nível nacional na área da Medicina com a obtenção de nota máxima (categoria A – Muito Bom) em sete categorias.

Published in Mundo
Pág. 1 de 2
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas