Displaying items by tag: Armando Mansilha

O mentor e presidente da Porto Vascular Conference (PVC) tem todos os motivos para celebrar com os seus pares, nacionais e internacionais, naquela que foi a 10.ª edição de um evento científico cuja notoriedade se afirma e consolida a cada ano que passa. Tudo em nome de um propósito: “Passar a todos, incluindo os média e a sociedade portuguesa, a importância crucial de poder diagnosticar atempadamente e tratar precocemente uma patologia vascular periférica”, sublinha Armando Mansilha. Saiba mais na edição 135 do Jornal Médico.

Published in Entrevistas

Agendado para 10, 11 e 12 de setembro, tendo como palco a Alfândega do Porto, o 20.º Congresso Anual da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular (SPACV) foi, recorde-se, adiado em 2020, por força da pandemia. Agora, ouvido pelo Jornal Médico, Armando Mansilha considera, desde já, estarem reunidas as condições para que o evento se realize em modo presencial. O presidente da SPACV acredita que “é tempo de dar um passo em frente.”

Published in Atualidade

Dois profissionais do Serviço de Cirurgia Vascular do Centro Hospitalar Universitário de São João [CHUSJ], Armando Mansilha e Joel Sousa, foram galardoados com os prémios de Maior Contribuição Científica Internacional de 2019 e Melhor Artigo Original 2019, atribuídos pela Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular [SPACV].

Published in Atualidade

A educação médica pré e pós-graduada tem resistido à adoção de ferramentas digitais em larga escala e o uso formal de aulas online ou webinars era raro até março deste ano. Com a pandemia, a adaptação foi a palavra de ordem, mas – e apesar de todo o esforço por parte de docentes e alunos nesta fase – as academias continuam a apostar parcamente na adoção de modelos alternativos às aulas de exposição nos moldes tradicionais. À semelhança do que aconteceu com a prestação de cuidados de saúde, a Covid-19 acelerou a digitalização também do ensino médico a nível global. Mudanças eternamente adiadas acabaram por ser implementadas em poucos dias, o que levanta uma questão relevante: foi a pandemia o gatilho necessário para transformar a formação médica em escolas e hospitais?

Published in Atualidade

No rescaldo da criação da Sociedade Portuguesa de Flebologia – no seio da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular – o Jornal Médico conversou com o seu fundador e primeiro presidente, Armando Mansilha, que sustenta que esta área requer hoje “uma maior exigência de conhecimento”. Apesar de não constituir uma especialidade médica, a Flebologia “adquire uma autonomia científica e profissionalizante”, sublinha o professor.

Published in Entrevistas
Tagged under

A Ordem dos Médicos (OM) pretende ter uma relação mais estreita com sociedades e associações científicas, de forma a garantir melhores cuidados de saúde aos portugueses no setor público e privado.

Published in Atualidade

O Jornal Médico falou com Armando Mansilha, Professor da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e Coordenador da Unidade de Angiologia e Cirurgia Vascular do Hospital CUF Porto, a propósito de ter sido eleito Presidente da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular (SPACV), durante o 18.º Congresso da SPACV, com o intuito de perceber quais são os principais objetivos e medidas para o seu mandato.

Published in Entrevistas
Tagged under

Mansilha Prof. Armando

O cirurgião vascular Armando Mansilha disse hoje que existe uma nova classe de fármacos, com “comprovada eficácia” e com “melhoria do perfil de segurança”, que provavelmente “vai revolucionar todo o tratamento da trombose venosa profunda e da embolia pulmonar”.

Citando estudos europeus já divulgados, Armando Mansilha, que é também professor na Faculdade de Medicina do Porto, salientou que “a mortalidade por tromboembolismo venoso é superior à mortalidade conjunta de acidentes de viação, cancro da mama, da próstata e sida. Todas estas causas juntas matam menos do que o tromboembolismo venoso”.

A nova classe de fármacos, já disponível em Portugal, “diminui o risco de novos eventos, porque a retrombose é grave, diminui o risco de novas embolias pulmonares, tem uma segurança aumentada no sentido de diminuir o risco de hemorragia e tem uma enorme facilidade em termos posológicos porque os doentes não têm de fazer um controlo laboratorial regular”, sublinhou.

O especialista falava na apresentação de um manual de boas práticas para diagnóstico e tratamento do tromboembolismo venoso, um documento que alerta para a necessidade de uniformizar o tratamento da trombose em Portugal.

Os novos medicamentos, anticoagulantes orais, “estão a ser progressivamente introduzidos” no mercado português, mas Armando Mansilha considerou que é fundamental alertar a comunidade clínica e científica para a sua existência e para as suas vantagens.

Este é um dos objectivos do livro “Diagnóstico e terapêutica do tromboembolismo venoso – evidência e recomendações”, coordenado por Armando Mansilha, mas que reúne contribuições de especialistas de diferentes áreas, nomeadamente da Cirurgia Vascular, Medicina Interna, Oncologia Médica, Obstetrícia e Imunoterapia, entre outras.

O documento, considerado o “mais completo” manual de boas práticas no tratamento da trombose editado em Portugal, vai ser distribuído pelos hospitais e unidades de saúde familiar.

O objectivo é uniformizar procedimentos na abordagem terapêutica desta patologia, para proporcionar a todos os pacientes o melhor tratamento possível.

O tromboembolismo venoso (TEV) é uma doença caracterizada pela formação de coágulos (trombos) nas veias, que compreende a trombose venosa profunda (TVP) e a embolia pulmonar (EP).

Constitui a terceira causa mais comum de doença cardiovascular, logo após a síndrome coronária aguda e o acidente vascular cerebral. Atinge particularmente os pacientes hospitalizados, os doentes oncológicos e as grávidas e/ou puérperas com mais de 35 anos.

Published in Medicamento
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.