Centro de Responsabilidade Integrado de Esclerose Múltipla é o primeiro dedicado à doença em Portugal
DATA
05/12/2022 10:20:28
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Centro de Responsabilidade Integrado de Esclerose Múltipla é o primeiro dedicado à doença em Portugal

No dia 4 de dezembro, Dia Nacional da Esclerose Múltipla, entrou em funcionamento no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) o Centro de Responsabilidade Integrado de Esclerose Múltipla (CRIEM), o primeiro dedicado a esta patologia em todo o país, o qual passará a funcionar no polo de Santo António dos Capuchos (HSAC).

Com uma estrutura de gestão intermédia, o CRIEM resulta de uma evolução natural do Centro de Tratamento de Esclerose Múltipla, cujo conhecimento e diferenciação técnica conquistou um posicionamento central no atual contexto português e foi inspirado na visão de excelência clínica que faz parte da estratégia de intervenção do CHULC.

A direção do CRIEM, constituída pelo neurologista Carlos Capela, a enfermeira Anabela Gama e a gestora Fariza Hassam, pretende consolidar um percurso de prestação de cuidados assente num plano assistencial multidisciplinar com primazia numa resposta centrada nas necessidades do doente.

O CRIEM funciona em espaço próprio, configurado para garantir uma resposta assistencial em regime de ambulatório ao longo das diversas fases de evolução da EM, integrando num mesmo local as diversas áreas de prestação de cuidados, como a consulta médica de diagnóstico, a consulta de enfermagem, a consulta farmacêutica, a reabilitação neuropsicológica, o apoio em psicologia, o serviço social.

A nova unidade, que constitui o oitavo CRI do CHULC, disponibiliza ainda medicação em hospital de dia, fisioterapia, psicologia de grupo e tratamento pelas especialidades médicas intervenientes. 

É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.