Apresentado Plano de Vacinação contra a COVID-19 e gripe
DATA
05/09/2022 09:36:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Apresentado Plano de Vacinação contra a COVID-19 e gripe

Foi apresentado, dia 2 de setembro, em Lisboa, o Plano de Vacinação contra a COVID-19 e a gripe sazonal para o outono-inverno 22/23, iniciando-se na próxima quarta-feira, 7 de setembro, avançaram os responsáveis pela Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed), a Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Núcleo de Coordenação de Apoio ao Ministério da Saúde (NCAMS), que tem a seu cargo a área logística da inoculação.

Desta estratégia, vão ser incluídas as novas vacinas adaptadas à Ómicron, já aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento (EMA), sendo que administração das vacinas irá ocorrer nos centros de saúde e de vacinação, estando previstos cerca de 397 pontos de vacinação.

“Nesta campanha, desde o início, serão utilizadas as vacinas adaptadas contra a COVID-19 contendo a estirpe original e a variante Ómicron, aprovadas no dia 1 de setembro pela EMA, dado que essas vacinas têm um perfil de eficácia e segurança adaptado às atuais variantes do SARS-CoV-2 em circulação”, avançou a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

A campanha de vacinação tem como principal objetivo o de proteger a população mais vulnerável, prevenindo a doença grave, a hospitalização e a morte por COVID-19 e por gripe e mitigar o impacto dessas patologias nos serviços de Saúde, explicou Graça Freitas, começando por dar prioridade às pessoas com 80 ou mais anos de idade e pessoas com doenças.

Posteriormente, poderão ser vacinadas contra a COVID-19 pessoas com ou acima dos 60 anos de idade, residentes e profissionais de lares de idosos e da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, pessoas com 12 ou mais anos com doenças de risco definidas na norma da DGS, grávidas com 18 ou mais anos e também com patologias, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados.

Em simultâneo, nesse dia, 7 de setembro, inicia-se também a campanha de vacinação contra a gripe, em que será dada prioridade às pessoas com 65 ou mais anos de idade, aos residentes e profissionais em estabelecimentos residenciais e da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados, crianças com seis ou mais meses de idade com patologias, grávidas sem limite de idade, profissionais de saúde e outros prestadores de cuidados.

O anúncio relativo a esta estratégia havia sido anunciado na semana passada pela ministra da Saúde cessante, Marta Temido, defendendo que o plano pretende ser uma resposta sobretudo destinada à população mais vulnerável, num contexto em que o Governo antecipa “um aumento da procura de serviços de Saúde” nos próximos meses.

Segundo os últimos dados da DGS, 93% da população tem a vacinação completa contra a COVID-19, 66% dos elegíveis receberam as vacinas de reforço e 63 % dos idosos com 80 ou mais anos tomaram a segunda dose para reforçar a imunização contra o SARS-CoV-2.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.