Sindicatos defendem que “é preciso valorizar o profissional médico do SNS”
DATA
14/06/2022 10:20:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Sindicatos defendem que “é preciso valorizar o profissional médico do SNS”

Os sindicatos dos médicos defendem um maior investimento no Serviço Nacional de Saúde (SNS) e a contratação de mais médicos, com o intuito de resolver problemas como a falta de especialistas nas Urgências.

Após uma reunião com a ministra da Saúde, Marta Temido, na sequência do encerramento das urgências de obstetrícia em vários hospitais, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM), disseram que “o problema no SNS não é pontual, mas sim estrutural”, acrescentando que a ministra “não tem a noção da gravidade da situação nos serviços de Obstetrícia”, que se estende também à Medicina Interna, Anestesiologia, e “um pouco por todo o SNS”.

“Em vez de investir no SNS, estão a apostar em trabalho precário”, afirmou Jorge Roque da Cunha, secretário-geral do SIM, em declarações à Lusa. Referindo que, da reunião, os sindicatos esperavam respostas concretas em relação “à gravidade do problema, que não é de agora”. O responsável declarou ainda que "nunca se investiu tão pouco no SNS”, considerando que a reunião com Marta Temido valeu pelo facto de a ministra reconhecer que há um problema.

Por sua vez, Noel Carrilho, presidente da FNAM, considera que a necessidade de médicos no SNS “é perfeitamente evidente”, e lamentou que da reunião não tenha saído qualquer proposta por parte de Marta Temido. “É preciso valorizar o profissional médico do SNS, o prestador de serviços é mais valorizado do que o profissional do SNS”, lamentou.

You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade
Editorial | António Luz Pereira, Direção da APMGF
You've got mail! - quando um aumento da acessibilidade não significa melhoria da acessibilidade

No ano de 2021, foram realizadas 36 milhões de consultas médicas nos cuidados de saúde primários, mais 10,7% do que em 2020 e mais 14,2% do que em 2019. Ou seja, aproximadamente, a cada segundo foi realizada uma consulta médica.