Em Oliveira do Bairro existem 1.800 utentes sem médico de família
DATA
04/05/2022 12:39:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Em Oliveira do Bairro existem 1.800 utentes sem médico de família

O coordenador da Unidade de Saúde Familiar da União de Freguesias de Bustos, Fernando Martins, reportou a falta de médicos de família durante a visita de Rosa Reis Marques, presidente da Administração Regional de Saúde, à unidade de saúde inaugurada no concelho de Oliveira do Bairro.

“Há mais um de um ano que 1.800 utentes não têm médico de família e isto é grave, (…) Estou triste, porque não tenho todos os meus utentes [acompanhados e controlados] como deveria ter e não sei quando vou ter”, lamentou.

Fernando Martins destaca ainda que só existem três médicos nesta nova unidade, o que dificulta a capacidade de resposta, além de que “não estamos a ver grande parte dos utentes que se deslocam de Oliveira do Bairro aqui a este polo, até porque alguns nem transporte têm”, frisou.

Rosa Reis Marques, em resposta ao alerta de Fernando Martins, afirmou que se aposentaram muitos profissionais de saúde no último ano.

“A ARS Centro, no ano de 2021, teve 102 médicos a aposentar-se”, informou, mas concluiu afirmando que “esperamos que abra rapidamente concurso e que possamos substituir por almas novas os que já cumpriram a sua missão”.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.