Já são conhecidos os vencedores da Bolsa de Investigação APMGF/GRESP 2022
DATA
19/04/2022 15:48:21
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Já são conhecidos os vencedores da Bolsa de Investigação APMGF/GRESP 2022

São dois os projetos vencedores, da edição deste ano, da Bolsa de Investigação APMGF/GRESP. Este incentivo pretende promover a investigação clínica, em doenças respiratórias, nos Cuidados de Saúde Primários em Portugal, com a atribuição de um prémio pecuniário.

O médico de família e docente na Faculdade de Ciências da UBI, Tiago Maricoto, foi o primeiro selecionado, vencendo com o projeto “Efetividade de um programa de reabilitação respiratória domiciliária em pessoas com DPOC”.

O segundo prémio foi atribuído ao projeto “Determinantes da contaminação microbiológica do ar interior numa unidade de saúde e impacto de um purificador de ar” do médico de família e, investigador Gil Correia.

Ao projeto vencedor é atribuído um apoio de 20 mil euros. Já o segundo classificado conta com uma bolsa de 10 mil euros, como incentivo no desenvolvimento do projeto.

Os autores dos projetos, agora apoiados pela Bolsa de Investigação APMGF/GRESP 2022, irão apresentar as conclusões dos respetivos projetos, em sessão solene.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.