SNS quer reforçar centros de saúde para melhorar resposta de hospitais
DATA
29/03/2022 14:34:48
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



SNS quer reforçar centros de saúde para melhorar resposta de hospitais

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu reforçar o atendimento nos centros de saúde de forma a melhorar a resposta nas urgências dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Estamos com alguma procura decorrente de casos de gripe que está, em termos temporais, um bocadinho mais tardia em relação a anos pré-pandémicos”, refere Marta Temido, salientando que estão atentos à situação nos hospitais e à necessidade de reforço dos centros de saúde.

Ainda que a análise dos dados revele que os números ainda se mantêm inferiores em relação aos de 2019, há acréscimos em algumas instituições de procura de urgência, de acordo com a ministra da Saúde.

“Os vários hospitais têm referido nos tempos mais recentes que a procura que agora sentem é de casos um pouco mais complexos, mais graves, o que significa alguma reorientação da procura, que por um lado traduz um indicador positivo, por outro preocupa-nos porque significa que estamos a ter uma procura mais complexa”, revela Marta Temido.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.