Congresso de Pneumologia do Norte: o que importa atualizar nas doenças respiratórias
DATA
23/03/2022 16:28:39
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Congresso de Pneumologia do Norte: o que importa atualizar nas doenças respiratórias

Começa já esta quinta-feira, dia 24, o 29º Congresso de Pneumologia do Norte que irá decorrer até dia 26, em formato presencial, no Centro de Congressos do Sheraton Porto Hotel.

A 29.ª edição do congresso é organizada pelos Serviços de Pneumologia do Centro Hospitalar e Universitário de São João (CHUSJ), e do Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (CHVNG/E), ao qual se junta a colaboração da Sociedad Gallega de Patologia Respiratoria (SOGAPAR).

Hélder Novais Bastos, presidente do Congresso e pneumologista no CHUSJ explica que o objetivo da organização passou por criar um programa abrangente, e que, essencialmente, se evitasse “tópicos que fossem genéricos. Procurámos tocar em todos os pontos principais, mas com um tema mais específico permitindo que as sessões sejam o mais eficaz e atrativas para um pneumologista de qualquer área”.

O congresso é dirigido a todos os clínicos envolvidos na área respiratória, pelo que “pensámos de que forma é que, em cada tópico, um médico dedicado às doenças respiratórias se deve atualizar – esta foi a nossa principal preocupação e temos palestrantes excecionais para cada um dos temas”, refere em comunicado.

Durante os dias do evento estarão em debate os desafios e avanços clínico-científicos da era do pós-pandemia, nomeadamente na inovação tecnológica e no desenvolvimento da medicina digital. Além disso, serão atualizados e discutidos alguns temas centrais da Pneumologia, tais como doenças obstrutivas e pulmonares difusas, tuberculose e outras infeções respiratórias emergentes, patologia oncológica torácica, reabilitação respiratória, distúrbios respiratórios do sono e ventilação.

Pode consultar o programa do Congresso aqui.

É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.