Nascimentos caíram 5,9% em 2021 e o número de mortes aumentou 1,2%
DATA
18/02/2022 14:57:46
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Nascimentos caíram 5,9% em 2021 e o número de mortes aumentou 1,2%

O número de mortes em 2021 aumentou 1,2% face ao ano anterior e o número de nascimentos baixou 5,9%, agravando o saldo natural negativo em Portugal, mostraram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgados.

“Em 2021, registaram-se 125.147 óbitos em Portugal, mais 1.468 (1,2%) do que em 2020 e mais 12.856 (11,4%) do que em 2019”, segundo as “Estatísticas Vitais - Dados mensais” do INE.

No que diz respeito ao número de mortos por COVID-19, os dados indicam que foram registados, no ano passado, “12.004 (6.972 em 2020), correspondendo a 9,6% do total de óbitos”.

No mês de janeiro de 2022, “o número de óbitos foi 11.690, valor superior ao registado no mês de dezembro de 2021 (mais 245 óbitos) e inferior ao observado no mês de janeiro de 2021 (menos 7.981 - 40,6%)”, sendo que o número de mortos por COVID-19 ascendeu a 972 em janeiro, “representando 8,3% do total de óbitos, mais 454 face a dezembro de 2021 e menos 4.183 relativamente ao mês de janeiro do mesmo ano”, revelam os dados.

Em dezembro de 2021, registaram-se 6.875 nados-vivos, correspondendo a um aumento de 9,4% relativamente ao mesmo mês de 2020. “O número total de nados-vivos registados em 2021 foi 79.692, valor inferior ao verificado em 2019 e 2020, respetivamente, menos 7.334 e menos 4.999 nados-vivos”, frisou o INE.

Nesse mesmo mês, o saldo natural foi de menos 4.542, desagravando-se relativamente ao do mês homólogo de 2020, quando registou o valor de menos 6.703. “O saldo natural de 2021 foi -45 289, agravado relativamente ao observado em 2019 (-25 214) e 2020 (-38 932)”, mencionam os dados do INE.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.