Vacina da gripe grátis em 2022/2023 para pessoas com 65 anos ou mais
DATA
04/02/2022 16:56:57
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Vacina da gripe grátis em 2022/2023 para pessoas com 65 anos ou mais

A vacina contra a gripe sazonal será gratuita na época 2022/2023 para pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, bem como para outros grupos prioritários, de acordo com o despacho publicado em Diário da República.

Segundo o Despacho, assinado pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, a decisão tem por base que esta vacina “deve ser administrada anualmente” e que “os vírus da gripe podem apresentar variações que implicam alterações anuais na composição da vacina”.

No contexto da gripe, destaca o despacho, “as pessoas com idade igual ou superior a 65 anos são as mais vulneráveis às complicações”. A estas juntam-se outros grupos-alvo prioritários, definidos em norma anual da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Recorda ainda que “a gripe é uma doença transmissível que pode evoluir com complicações e que pode ser prevenida ou atenuada através da vacinação”, atribuindo aos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde “os procedimentos para aquisição das respetivas vacinas”.

A gratuitidade da vacina é válida desde a data de assinatura do despacho, 27 de janeiro.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.