Vacinação dos profissionais de instituições fortemente recomendada pela DGS
DATA
11/01/2022 17:29:41
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Vacinação dos profissionais de instituições fortemente recomendada pela DGS

A vacinação contra a COVID-19 de todos os profissionais elegíveis que trabalhem em lares e Unidades de Cuidados Continuados Integrados “é fortemente recomendada” pela Direção-Geral da Saúde (DGS) na orientação sobre os procedimentos a adotar nestas instituições.

Na orientação “COVID-19: Procedimentos para Estruturas Residenciais para Idosos (ERPI) e para Unidades de Cuidados Continuados Integrados (UCCI)”, a DGS refere que esclarece que devem ser facilitadas as visitas às pessoas residentes, incluindo às acamadas que permanecem nos respetivos quartos, mantendo a segurança dos residentes e dos visitantes.

De acordo com a DGS, a promoção das visitas presenciais aos residentes deve decorrer sem prejuízo de se continuarem a garantir os meios para que estes possam comunicar com os familiares e amigos através, por exemplo, de videochamada ou telefone.

São permitidas visitas aos utentes mediante apresentação de Certificado Digital Covid da UE válido, nas modalidades de teste ou de recuperação, ou, em alternativa, a apresentação de um resultado negativo num teste para SARS-CoV-2.

Fica dispensado de apresentar teste quem demonstrar ter sido vacinado, com uma dose de reforço de uma vacina contra a COVID-19. “Cada instituição deverá ter um regulamento onde constam as regras a aplicar nas visitas (…) sem prejuízo de, mediante a situação epidemiológica específica poder ser determinado, pela autoridade de saúde local, a suspensão provisória de visitas à instituição”, adianta.

“Posteriormente, é altamente recomendado que seja vacinado ou completado o esquema vacinal contra a COVID-19, se aplicável”, frisa a DGS.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.