FPP: Ventilação Não Invasiva em e-learning
DATA
28/09/2021 17:26:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



FPP: Ventilação Não Invasiva em e-learning

A Fundação Portuguesa do Pulmão (FPP) lança, com o apoio da VitalAire Portugal e Brasil, um novo módulo do curso gratuito sobre Ventilação Não Invasiva (VNI) destinado a médicos especialistas ou em formação, enfermeiros, fisioterapeutas e outros profissionais de saúde.

 

Organizado, pela primeira vez, em outubro de 2020, o “Curso de Ventilação Não Invasiva” conta já com mais de mil visualizações e terá agora um novo módulo, oferecendo aos participantes a oportunidade de “potenciar o seu conhecimento de utilização no contexto da COVID-19”.

Acessível através da plataforma de e-learning da FPP, “tem como objetivo aumentar competências na escolha dos modos ventilatórios e interfaces mais indicados para cada doente e quadro clínico no contexto da insuficiência respiratória aguda ou crónica”, proporcionando ainda aos profissionais de saúde “a possibilidade de ficar a par das atualizações tecnológicas na área da VNI”.

Segundo o presidente da FPP, José Alves, o curso, que em anteriores edições teve a colaboração de Marta Drummond, Miguel Gonçalves e Carlos Winck, vai contar agora com a experiência de Nuno Príncipe no tratamento da COVID-19, através de um novo módulo dedicado a esta temática.

“O lançamento deste novo módulo do Curso de VNI representa uma vez mais o foco da empresa no apoio contínuo aos profissionais de saúde, contribuindo para o aumento das suas competências em VNI e, sobretudo, num tema tão necessário no momento que vivemos”, frisa o diretor geral da VitalAire Portugal, Jorge Correia.

O responsável revela ser “um prazer que a qualidade do que melhor se faz em Portugal chegue agora além-fronteiras, com a adesão da VitalAire Brasil à divulgação desta iniciativa, contribuindo para a melhoria da qualidade de vida de milhares de pacientes nos dois países.” 

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.