12.º Encontro Nacional das USF: Muito para rever porque a saúde mudou
DATA
27/09/2021 10:01:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




12.º Encontro Nacional das USF: Muito para rever porque a saúde mudou

Debater a carteira básica de serviços das Unidades de Saúde Familiar (USF) e as novas necessidades em saúde da população nunca se evidenciou tão necessário, uma vez que a realidade da saúde mudou. No âmbito do 12.º Encontro Nacional das USF, que decorreu a 17 e 18 de setembro, no Super Bock Arena — Pavilhão Rosa Mota, no Porto, o especialista em Medicina Geral e Familiar José Carlos Marinho falou sobre os novos desafios e necessidades em saúde nesta temática.

 “A importância da contratualização não é de hoje, é desde o início. Não me parece possível haver de facto responsabilização sem medição e, por isso, a contratualização é, hoje, tão importante como foi sempre. Importa agora revê-la e, sobretudo, prepará-la para construir o futuro, porque de facto o mundo mudou, há novos fatores no contexto”, esclareceu o especialista.

Na mesma linha de pensamento, o diretor executivo do ACES Baixo Mondego, José Biscaia, frisou que “assumindo a contratualização como um instrumento de gestão que deve haver nos ACES, é importante discutir o que é que se contratualiza”. Sublinhou ainda que hoje em dia “a renovação da carteira básica (…) pós-pandemia é a questão essencial”.

“É fundamental, isto não estava previsto antes, não temos instrumentos de medida dessas diferentes formas de prestar os cuidados e, portanto, é um ponto essencial a discutir. Se não formos nós profissionais a discutir (…), não vai haver ninguém [a] fazer essa proposta. O grande desafio é nós contruirmos a visão que vai permitir criar os instrumentos e o processo de mudança da contabilização”, finalizou.

José Carlos Marinho revelou que no encontro houve “mensagens positivas, de esperança, de futuro” e deixou a nota: “Acho que o caminho é esse, não é continuar no muro das lamentações, a atribuir culpas (…). O tempo é de fazermos o diagnóstico, identificar o problema, encontrar as soluções e dessa forma construir o futuro”.

*Na fotografia (da esquerda para a direita), José Luís Biscaia e José Carlos Marinho.

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas