Transplantação: Portugal como referência mundial sublinhada pela Ordem dos Médicos
DATA
20/07/2021 16:46:35
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Transplantação: Portugal como referência mundial sublinhada pela Ordem dos Médicos

A Ordem dos Médicos (OM) destacou a posição cimeira de Portugal na área da transplantação, a nível mundial, defendendo que a atividade no terreno seja “coordenada de forma criteriosa” para aumentar o número de transplantes bem-sucedidos.

No âmbito do Dia Nacional da Doação de Órgãos e da Transplantação, que se assinala hoje, o bastonário da OM sublinhou que Portugal ocupava, em 2020, a 11.ª posição do ranking mundial no número de transplantes por milhão de habitantes – e, melhor ainda, no caso específico dos transplantes hepáticos, o 6.º lugar. Miguel Guimarães reconhece que a pandemia teve grandes impactos nesta atividade, “mas agora estamos já em franca recuperação".

Entretanto, o número de transplantes realizados no primeiro semestre de 2021 teve “uma subida de 19% em relação ao período homólogo de 2020”, avança, em comunicado, a OM.

O bastonário destaca, ainda, que Portugal ocupa a 4.ª posição a nível mundial no que se refere à colheita de órgãos de dadores falecidos por milhão de habitantes, lembrando que o País foi pioneiro neste campo, nomeadamente com a criação do Registo Nacional de Não-Dadores (RENNDA).

“Neste dia especial e perante os dados divulgados, o IPST [Instituto Português do Sangue e da Transplantação], as equipas coordenadoras e as equipas de colheita e de transplante de órgãos estão de parabéns, honrando a Medicina portuguesa e tornando-a num exemplo além-fronteiras”, reforça Miguel Guimarães.

Os referidos dados mostram que os transplantes subiram no primeiro semestre do ano, sobretudo os cardíacos e os pulmonares, com um total de 369 órgãos transplantados até final de junho, mais 54 face a igual período do ano anterior.

Nos primeiros seis meses de 2021 houve um total de 163 dadores de órgãos (dadores falecidos e dadores vivos) e realizados 27 transplantes cardíacos, mais 12 do que em igual período do ano passado, 201 renais (mais 33), 99 hepáticos (mais 10) e 24 pulmonares (mais cinco).

Ainda assim, os transplantes pancreáticos baixaram relativamente ao período homólogo, com oito realizados no primeiro semestre deste ano (menos seis).

Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?
Editorial | António Luz Pereira
Se os jovens Médicos de Família querem permanecer no SNS e se o SNS precisa deles, o que falta?

Nestes últimos dias tem sido notícia o número de vagas que ficaram por preencher, o número de jovens Médicos de Família que não escolheram vaga e o número de utentes que vão permanecer sem médico de família. Há três grandes razões para isto acontecer e que carecem de correção urgente para conseguir cativar os jovens Médicos de Família.

Mais lidas