SRCOM elogia empenho dos Hospitais de Coimbra em prol da retoma

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) destacou o esforço do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) na retoma da atividade, bem como a resposta que tem dado durante a pandemia.

"Visitámos vários serviços, nomeadamente cirúrgicos, e há uma focalização muito grande em recuperar aquilo que era a lista de espera, inclusivamente com uma reorganização em termos de horário, para os blocos operatórios estarem sempre a funcionar", afirmou o presidente da SRCOM, Carlos Cortes.

Entre março e junho deste ano, comparando com o período homólogo de 2020, houve um aumento de 48% em consultas externas, as primeiras consultas cresceram 85% e as cirurgias programadas subiram 160%, segundo dados fornecidos ao responsável pela direção clínica do hospital.

"Há aqui um esforço notável da instituição para recuperar a lista de espera, que é um problema grave", face à pandemia, em que muitos doentes "viram os seus tratamentos e diagnósticos atrasados", salientou Carlos Cortes.

O CHUC teve “a maior capacidade instalada de internamento para doentes COVID a nível nacional - eram 498 camas. Nenhum hospital atingiu essa capacidade de tratar doentes e isso é muito importante. Desde o início da pandemia, foram tratados 3.524 doentes, 300 em cuidados intensivos. São números absolutamente impressionantes", frisou o presidente da SRCOM.

Carlos Cortes fez questão de assinalar que o CHUC não deu apenas uma resposta local ou regional, mas nacional, recebendo doentes do norte e sul do País. Notou, ainda, que o hospital está igualmente preocupado com o futuro, tendo investido no aumento da sua capacidade em cuidados intensivos.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.