×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 34880
Patrícia Canhão preside Comissão Científica da SPAVC
DATA
10/05/2021 17:32:20
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Patrícia Canhão preside Comissão Científica da SPAVC

A Comissão Científica (CC) da Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral (SPAVC) é presidida pela neurologista Patrícia Canhão. Com a eleição de novos órgãos sociais da SPAVC para o triénio 2021-2023, que aconteceu em março, também a CC desta Sociedade integra novos elementos, pretendendo-se um painel diversificado e multidisciplinar.

“A prevenção e tratamento da Doença Vascular Cerebral e das suas sequelas necessita da intervenção de múltiplas áreas da Medicina. Assim, para manter um elevado padrão de assessoria científica à SPAVC, é desejável que a Comissão Científica integre especialistas representantes dessas múltiplas áreas”, afirma a neurologista Patrícia Canhão, em comunicado enviado.

Para além da neurologista, a Comissão Científica é ainda constituída por vários elementos com reconhecido mérito científico na área da doença vascular cerebral. A SPAVC refere que um dos contributos principais desta CC poderá ser a colaboração nas várias reuniões científicas que a Sociedade organiza, bem como a participação dos seus elementos na realização de recomendações e conteúdos científicos ou educacionais.

“Uma Sociedade Científica como a SPAVC tem que manter os mais elevados padrões de acordo com a melhor evidência científica, e em estreita sintonia com as organizações internacionais em que está afiliada, como a European Stroke Organization e a World Stroke Organization”, destaca Patrícia Canhão, sublinhando que em Portugal, a SPAVC se tem afirmado como um “nobre veículo do conhecimento científico”.

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas