APHP defende que hospitais privados têm vindo a cumprir o seu papel
DATA
22/04/2021 10:27:30
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APHP defende que hospitais privados têm vindo a cumprir o seu papel

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) defendeu que ano após ano, os hospitais privados têm vindo a cumprir o seu papel e a fazer investimentos que levam “a uma maior cobertura nacional”.

No documento “Trabalhar e servir em ano de pandemia”, que faz o retrato da atividade dos hospitais privados em 2020, ano marcado pela pandemia logo a partir de março, a associação refere que da “parte dos hospitais privados houve, desde a primeira hora, disponibilidade para participar na luta contra a Covid- 19 e, embora sejam muitos os exemplos de colaboração efetiva, o acionamento de todo o sistema de saúde ficou penalizado por um planeamento unicamente centrado no serviço público”.

“Os números demonstram a importância crescente dos hospitais privados na resposta à Covid-19, designadamente quando o número de pessoas infetadas e o limite da capacidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS) tornaram fundamental o nosso envolvimento para acolher também os doentes Covid enviados pelo Estado, nos termos definidos pelo Ministério da Saúde”, acrescenta a APHP. 

A Associação reitera ainda que o alargar da capacidade de resposta de Portugal, “passando a envolver não apenas o SNS mas o Sistema Nacional de Saúde, resolveu problemas concretos em vários hospitais à beira da rutura”, adiantando que “os hospitais privados têm já em pleno funcionamento um ambicioso plano de recuperação de toda a atividade prejudicada pela pandemia”.

Como recentemente divulgou o Instituto Nacional de Estatística (INE), “os hospitais privados representam um terço da capacidade instalada de saúde em Portugal”. “Se fizermos a nossa parte com qualidade, rapidez e eficiência estaremos a dar um relevante contributo para a saúde pública nacional. A doença não diagnosticada ou não tratada tem de ser combatida com todas as nossas forças”, sublinhou a APHP, no documento.

“Num ano extremamente difícil, os hospitais privados estiveram à altura das responsabilidades, reforçaram a sua relação com os portugueses e a APHP afirma-se como a voz dos hospitais privados”, finaliza.

 

Um ano depois…
Editorial | Susete Simões
Um ano depois…

Corria o ano de 2020. A Primavera estava a desabrochar e os dias mais quentes e longos convidavam a passeios nos jardins e nos parques, a convívios e desportos ao ar livre. Mas quando ela, de facto, chegou, a vida estava em suspenso e tudo o que era básico e que tínhamos como garantido, tinha fugido. Vimos a Primavera através de vidros, os amigos e familiares pelos ecrãs. As ruas desertas, as mensagens nas varandas, as escolas e parques infantis silenciosos. Faz agora um ano.

Mais lidas