Grupo de médicos de MGF estuda a Síndrome de Burnout em profissionais de CSP
DATA
20/04/2021 13:46:26
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Grupo de médicos de MGF estuda a Síndrome de Burnout em profissionais de CSP

Um grupo de médicos de Medicina Geral e Familiar está a realizar uma investigação sobre a síndrome de Burnout, que pretende quantificar e descrever os profissionais da área dos Cuidados de Saúde Primários (CSP) que sofrem desta patologia.

O grupo de investigação “BurnoutCSP”, constituído por médicos internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) e um médico especialista em MGF, de vários Agrupamentos de Centros de Saúde (ACES) da Administração Regional de Saúde (ARS) do Norte, tem como objetivo quantificar o número de profissionais da área dos CSP que sofre de síndrome de burnout, para “obrigar a que as entidades, nomeadamente políticas, não ignorem os problemas enfrentados pelos CSP”, conforme comunicado enviado.

Esta investigação surge devido à reestruturação dos cuidados de saúde primários, de forma a assegurar o acompanhamento clínico dos doentes com suspeita e confirmação de Covid-19, tendo existido uma alteração de horários sob a forma de turnos e o aumento do número de teleconsultas. Os profissionais desta área sofreram um acréscimo na sua carga de trabalho, originando um aumento dos níveis de stress, que poderão conduzir à síndrome de burnout.

Contextualizando o tema, a síndrome de burnout caracteriza-se pela presença de exaustão emocional, despersonalização e redução de realização pessoal. Segundo os investigadores, “a exaustão emocional manifesta-se por perda de entusiasmo para trabalhar, sensação de estar perdido, preso e derrotado; a despersonalização ocorre quando o profissional trata os utentes com indiferença, desenvolvendo uma postura negativa com os colegas e com a profissão e a redução da realização pessoal traduz-se em ineficiência e perda de noção de missão cumprida”.

Este estudo, realizado através do preenchimento de um questionário, destina-se a médicos, enfermeiros e secretários clínicos da área dos Cuidados de Saúde Primários, de todo o país. Voluntariamente, os participantes poderão submeter o seu e-mail no questionário para participar numa avaliação posterior, assim como saber de forma automática se os mesmos reúnem critérios diagnósticos de síndrome de burnout.  

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas