Pandemia provocou perturbações do sono na maioria dos pneumologistas
DATA
19/03/2021 09:37:07
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Pandemia provocou perturbações do sono na maioria dos pneumologistas

Um inquérito realizado a 105 pneumologistas de todo o país concluiu que durante a pandemia 85% destes profissionais tiveram perturbações do sono, o mesmo impacto que estudos internacionais indicam na população em geral.

O estudo, promovido pela Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), mostrou que dos 105 inquiridos, metade dos quais trabalhou com doentes infetados com covid-19, 75% tiveram pelo menos dificuldade em adormecer e 85% acordaram frequentemente com a sensação de um sono não reparador.

Os profissionais de saúde questionados não tinham qualquer patologia prévia relacionada com o sono e não faziam medicação para induzir o sono.

"Os profissionais de saúde claramente foram afetados também durante a pandemia", salientou, em declarações à agência Lusa, a coordenadora da Comissão de Trabalho das Patologias do Sono da SPP, Susana Sousa.

A pneumologista referiu que estudos internacionais chegaram às mesmas conclusões e são um indicador do impacto da pandemia na qualidade do sono.

Susana Sousa dá o exemplo de uma investigação publicada pela entidade homóloga da SPP no Reino Unido, onde é revelado que "três quartos da população sofreram pelo menos alguma alteração do seu sono e aumentaram os pedidos de consulta de insónia", em linha com o que se verifica em Espanha ou Itália.

A médica mencionou "os disruptores" para esta prevalência durante a pandemia, como o receio da doença ou "o impacto económico". Susana Sousa elencou ainda as novas rotinas, as alterações de horários, mais tempo de ecrã à noite ou o aumento do consumo de tóxicos e de fármacos.

A alteração dos hábitos de sono é um dos problemas invocados pela pneumologista.

"Temos imensas famílias a trabalhar em casa com as crianças. Para as acompanharem nas aulas ´online`, só conseguem trabalhar à noite e o que fica privado é o sono", vincou a médica.

A dificuldade em adormecer ou os despertares noturnos, que diminuem o sono profundo, têm consequências, como o aumento da irritabilidade e da taxa de incidência de doenças cardiovasculares, a diminuição da atenção, da concentração e do rendimento, uma maior probabilidade de acidentes de trabalho ou de acidentes de viação, devido à sonolência excessiva, enumerou Susana Sousa.

A ansiedade e a depressão "são uma consequência e uma causa" verificadas nas perturbações do sono.

"Quando existe uma patologia do sono, tratamo-la, e com a normalização do sono acabamos por ter a ansiedade também mais controlada", explicou a representante da SPP.

Uma alimentação equilibrada e exercício regular são medidas de uma boa higiene do sono, assim como evitar os ecrãs à noite, ter o quarto sem luz nem ruídos, deitar e levantar às mesmas horas ou não levar preocupações para a cama.

A propósito do Dia Mundial do Sono, que se assinala na sexta-feira, Susana Sousa frisou que a pandemia pode ser "uma janela de oportunidade para reequacionarmos" comportamentos e "adotarmos estilos de vida mais saudáveis".

Em teletrabalho, substituir o tempo que se perdia no trânsito por uma caminhada, ou evitar a ´fast food` e as refeições "à pressa" são duas sugestões da coordenadora da Comissão de Trabalho das Patologias do Sono.

"Este período pode ser de reflexão. Aproveitarmos para olhar para o nosso sono como um dos pilares mais importantes para a vida saudável", disse Susana Sousa, segundo a qual "não é dada a importância necessária ao sono", essencial para reforçar a imunidade.

A pneumologista preconiza que a pandemia, e estar mais tempo em casa, seja utilizada para a população "estar mais alerta" para o próprio sono e o de familiares, de forma a "tentar identificar mais precocemente algumas doenças que já possam existir e a que não se deu importância".

"Os sintomas vão-se instalando de uma forma tão progressiva que às tantas a pessoa acha que está cansada porque é da idade, ressona porque é normal. Não é normal", alertou Susana Sousa.

A médica explicou que, em média, deve dormir-se sete a oito horas, mas a duração é "meramente indicativa", uma vez que para sentir que repousou há quem precise de muitas horas e quem precise de poucas.

#sejamestrelas
Editorial | António Luz Pereira
#sejamestrelas

Ciclicamente as capas dos jornais são preenchidas com o número de novos médicos. Por instantes todos prestam atenção aos números. Sim, para muitos são apenas números. Para nós, são colegas que se decidiram pelo compromisso com os utentes nas mais diversas áreas. Por isso, queremos deixar a todos, mas especialmente aqueles que abraçaram este ano a melhor especialidade do Mundo uma mensagem: “Sejam Estrelas”.

Mais lidas