Bionova Capital investe na Vaxdyn para desenvolvimento de vacina contra super bactérias
DATA
08/03/2021 17:14:14
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Bionova Capital investe na Vaxdyn para desenvolvimento de vacina contra super bactérias

A portuguesa Bionova Capital, sociedade de capital de risco, vai investir 300 mil euros na Vaxdyn para o desenvolvimento de uma vacina que previna infeções potencialmente fatais, como a pneumonia, causadas por bactérias resistentes a antibióticos.

 

De acordo com a Bionova, em nota enviada, “esta vacina poderá proteger contra infeções causadas por três espécies bacterianas que foram recentemente classificadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como sendo as mais perigosas para a saúde humana: Acinetobacter baumannii, Klebsiella pneumoniae e Pseudomonas aeruginosa”.

“Estamos determinados em desenvolver uma nova vacina que previna as perigosas infeções causadas por superbactérias, permitindo uma proteção segura e eficaz contra as mesmas”, afirma o CEO da Vaxdyn, Juanjo Infante.

A sociedade investiu na Vaxdyn em conjunto com a CARB-X (que aplicou cerca de 6,1 milhões de euros), um consórcio financiado pela Fundação Bill & Melinda Gates, a Autoridade Biomédica de Investigação e Desenvolvimento Avançado dos EUA, a fundação britânica Wellcome Trust, entre outros. A Vaxdyn tem ainda entre os investidores os laboratórios Reig Jofré, o Grupo Arquimea e o veículo de investimento Mind the Gap.

“A atual pandemia Covid-19 mostrou que o investimento para prevenir crises de saúde pública tem de ser feito com muita antecedência, e neste momento as bactérias resistentes a antibióticos já são uma das principais causas de morte por todo o mundo”, lembra o 'chairman' da Bionova Capital, Peter Villax.

“Esta vacina, se for bem sucedida, será uma das principais armas contra a pneumonia bacteriana”, finaliza.

Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve
Editorial | Gil Correia
Urgências no SNS – só empurrar o problema não o resolve

É quase esquizofrénico no mesmo mês em que se discute a carência de Médicos de Família no SNS empurrar, por decreto, os doentes que recorrem aos Serviços de Urgência (SU) hospitalares para os Centros de Saúde. A resolução do problema das urgências em Portugal passa necessariamente pelo repensar do sistema, do acesso e de formas inteligentes e eficientes de garantir os cuidados na medida e tempo de quem deles necessita. Os Cuidados de Saúde Primários têm aqui, naturalmente, um papel fundamental.