Oftalmologistas alertam que adiar saúde ocular pode gerar complicações futuras
DATA
25/01/2021 09:16:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Oftalmologistas alertam que adiar saúde ocular pode gerar complicações futuras
O relatório "#VisãodeFuturo: A Saúde Ocular em Tempos de Coronavírus", elaborado por um grupo de especialistas de clínicas oftalmológicas de Espanha e Portugal, conclui que a pandemia trouxe problemas para a saúde ocular, sobretudo por causa do aumento do tempo em frente aos ecrãs e do adiamento de exames oftalmológicos de rotina.

De acordo com o estudo, “durante a pandemia houve uma redução das consultas de rotina para exames aos olhos (para 67% dos profissionais) e o aumento do tempo passado em frente aos ecrãs (para 68% dos profissionais) foi o hábito que mais afetou a saúde ocular. No conjunto, 78% dos especialistas considera que piorou a saúde ocular, em termos gerais, em consequência da pandemia”, pode ler-se em comunicado.

Foi destacado ainda, no comunicado, que “não foi demonstrada uma relação direta entre o uso de computadores e a miopia” e que é “fundamental que façam pausas visuais regulares e aproveitem o ambiente ao ar livre, sempre que possível”.

No caso dos adultos, “o olho seco é o distúrbio identificado por 60% dos especialistas como o mais prevalecente devido aos hábitos ligados à pandemia. O uso frequente de máscaras aumenta a secura dos olhos, tal como passar muito tempo em frente aos ecrãs ou trabalhar muito intensamente com o computador, reduzindo a frequência do pestanejar”, explicam os oftalmologistas, em nota enviada.

Concluem que “negligenciar patologias graves, como a degeneração macular relacionada com a idade (DMRI), retinopatia diabética ou glaucoma, pode levar à perda irreparável da visão”.

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas