Covid-19: DGS revê norma sobre isolamento após contacto com infetados
DATA
27/10/2020 15:04:12
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: DGS revê norma sobre isolamento após contacto com infetados
A Direção-Geral da Saúde (DGS) está a rever a norma sobre o período de isolamento profilático, podendo a quarentena para as pessoas que estiveram próximas de infetados com o novo coronavírus deixar de ser 14 dias.

“A ciência neste momento começa a dar indicações sobre quais são os dias máximos, até onde as pessoas provavelmente podem incubar o vírus, podem vir estar infetadas e podem vir a transmitir”, disse a diretora-geral da Saúde, na conferência de imprensa de atualização de informação relativa à pandemia de Covid-19.

Graça Freitas acrescentou que se está a começar a perceber que, a partir do décimo dia, “a probabilidade de alguém que ainda não se infetou se vir a infetar é pequena”.

A responsável sustentou que é com base nesta ciência que a DGS está a rever documentação internacional, a analisar a evidência n outros países e a consultar peritos e especialistas.

“Estamos a trabalhar numa eventual nova recomendação que só será feita obviamente se tivermos confiança suficiente na medida que estamos a promover”, ressalvou, frisando que a DGS está a rever essa norma e quando houver um consenso entre os peritos fará emitir uma nova orientação sobre o período de incubação na eventualidade de um contacto de alto risco, ou seja, de uma pessoa que esteve próximo de um infetado com Covid-19 e assim “sair do seu isolamento mais precocemente”.

Graça Freitas sustentou que estas são matérias “muito sensíveis” e a DGS tem baseado as orientações na evidência e o conhecimento.

A diretora-geral da Saúde afirmou que se começou por reduzir o período de isolamento profilático para as pessoas infetadas ao passar-se a considerar que ao fim de 10 dias, desde a data de início de sintomas ou de um teste positivo, o doente tem alta clínica desde que apresente “uma melhoria franca do seu estado clínico”.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas