Gripe e pneumonia: APDP lança alerta às pessoas com diabetes
DATA
20/10/2020 17:08:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Gripe e pneumonia: APDP lança alerta às pessoas com diabetes

A Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) lança a sua mais recente campanha de redução de risco contra a gripe e pneumonia pneumocócica. A associação deixa um alerta: as pessoas com doenças crónicas, como a diabetes, têm um risco superior de complicações e mortalidade associadas à gripe e pneumonia pneumocócica, mesmo com uma boa gestão da doença.

O presidente da APDP, José Manuel Boavida, destaca que “em caso de doença, as pessoas com diabetes têm mais dificuldade em controlar a glicemia, fragilizando o corpo que não conseguirá lutar contra as infeções. Assim, é fundamental sensibilizar para a prevenção”.

Segundo o Centro Europeu de Controlo de Doença e Prevenção (ECDC), nos últimos anos, cerca de 30% dos doentes hospitalizados com gripe tinham diabetes. A gripe pode levar a complicações como a pneumonia pneumocócica e a meningite, assim como agravar problemas crónicos do coração.

Por conseguinte, prevenir a gripe e a pneumonia pneumocócica é importante na redução de risco de infeção, assim como para ajudar a evitar as formas mais graves que necessitam de internamento.

“Uma pessoa com diabetes tem, no mínimo, duas vezes mais probabilidade de contrair pneumonia pneumocócica. E, em caso de internamento fica, em média, mais um dia do que um indivíduo que não sofra da doença. A mortalidade, nestes casos, também é superior, segundo os dados que a APDP apurou nos hospitais portugueses” reforça João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas