Hospital CUF Tejo abre hoje as portas em Lisboa
DATA
28/09/2020 11:56:50
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Hospital CUF Tejo abre hoje as portas em Lisboa

O novo Hospital CUF Tejo, situado em Alcântara, Lisboa, que representa um investimento de mais de 170 milhões de euros, abre hoje as portas, integrando mais de 1.700 profissionais e vários serviços “centrados no doente”.

Em comunicado, o grupo Mello Saúde refere que a abertura do hospital vai ocorrer de forma faseada com a disponibilização a partir de hoje das áreas de ambulatório - consultas e exames, incluindo análises clínicas e imagiologia, bem como o hospital de dia oncológico.

Numa segunda fase - que irá ocorrer até ao final do ano - serão abertas as restantes áreas assistenciais, nomeadamente o internamento, o bloco operatório, a unidade de cuidados intensivos, os exames especiais e o atendimento permanente de adultos.

De acordo com a nota, a unidade hospitalar vai contar com mais de 1.700 profissionais, 10 salas de bloco operatório, incluindo uma sala híbrida e uma sala de cirurgia robótica, 213 camas de internamento geral, 14 camas de cuidados intensivos e 178 gabinetes de consulta e exames.

O hospital vai contar também com atendimento permanente de adultos e atendimento pediátrico não programado, serviço de imagiologia com três ressonâncias magnéticas, duas tomografias computorizadas, seis ecógrafos, três Raio-X, um mamógrafo, entre outros equipamentos, bem como o hospital de dia oncológico e hospital de dia médico.

A unidade estima realizar 465 mil consultas de especialidade por ano, 80 mil episódios de atendimento permanente/ano, 80 mil diárias (internamento)/ano e 23 mil cirurgias/ano.

O hospital representa um investimento de mais de 170 milhões de euros e “foi desenhado para prevenir, diagnosticar e tratar as doenças do futuro e está centrado na criação de valor para os doentes, familiares e cuidadores e para os profissionais de saúde (promotor da investigação clínica e da formação pré e pós-graduada em saúde).

De acordo com a nota, o Hospital CUF Tejo é o “primeiro hospital português totalmente centrado no doente, estando organizado em torno de 14 Centros Clínicos para garantir uma resposta personalizada, integrada e completa”.

Cada Centro Clínico é constituído por diversas unidades funcionais de patologia, com uma abordagem multe especialidade, é explicado na nota.

O hospital possui um Centro de Coração e Vasos, Centro de Cirurgia e Patologia Digestiva, Centro da Criança e Adolescente, Dermatologia, Cirurgia Plástica e Estética, Endocrinologia e Nutrição, Medicina, Prevenção e Envelhecimento, Centro da Mulher, de Neurociências, Oftalmologia, Oncologia, Ortopedia e Músculo-esquelético, Otorrinolaringologia, Pulmão e Urologia.

Na nota é também destacado que a CUF Oncologia dispõe de uma Unidade da Mama e de uma ala de internamento reservada à Unidade de Cuidados Paliativos.

“Com o novo hospital CUF Tejo, as equipas da CUF Oncologia têm acesso a tecnologia de última geração, seja em contexto de diagnóstico, seja no acompanhamento da evolução dos tratamentos, nomeadamente nas áreas de Neurocirurgia, Cirurgia Robótica e Radiologia de Intervenção”, é referido.

O Hospital CUF Tejo assume-se como um hospital escola pensado para integrar as atividades de formação universitária pré e pós-graduada e de investigação translacional no dia-a-dia das equipas clínicas.

Com mais de 600m2 dedicados exclusivamente ao ensino, o hospital escola contempla um Centro de Simulação, tecnologia de simulação e realidade aumentada, anfiteatro cirúrgico, auditório com 108 lugares, Foyer preparado para eventos clínicos, salas multiusos convertíveis em auditório, biblioteca digital com espaços de estudo individual e múltiplas salas de reuniões.

O hospital tem uma área superior a 75.000m² distribuída por seis pisos acima do solo e quatro pisos subterrâneos e estacionamento para aproximadamente 800 lugares.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas