Medicina Interna e Medicina Familiar unem esforços no tratamento da patologia crónica

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) assinaram hoje o Protocolo “Gestão do Doente Crónico em Portugal”, que visa conseguir o tratamento integrado de doentes crónicos. O contrato foi oficializado na abertura do 26.º Congresso Nacional de Medicina Interna, que se realiza até domingo, no Altice Fórum Braga.

O documento foi assinado pelo presidente da SPMI, João Araújo Correia, e pelo presidente da APMGF, Rui Nogueira, na presença de António Lacerda Sales, secretário de Estado da Saúde, a quem foi entregue, desde logo, um exemplar do consenso obtido entre as duas organizações.

“Esta relação entre a Medicina Interna e a Medicina Geral e Familiar é essencial para o tratamento e para o controlo do doente crónico. A assinatura deste documento ainda não resolve todos os problemas, mas é um reconhecimento dos mesmos e o início de um caminho para a melhoria da qualidade dos cuidados prestados”, afirma João Araújo Correia.

O presidente da SPMI considera que este início de integração de cuidados para gestão da doença crónica é o primeiro passo para dar resposta a uma necessidade que se tem tornado cada vez mais premente, pois, com o envelhecimento da população, o número de doentes é elevado e tem sido crescente.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas