Covid-19: OMS tem esperança que pandemia acabe em menos de dois anos
DATA
24/08/2020 10:52:15
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: OMS tem esperança que pandemia acabe em menos de dois anos

A Organização Mundial de Saúde (OMS) manifestou a esperança de que a pandemia da Covid-19 acabe "em menos de dois anos", mas avisou que uma vacina – "ferramenta vital" – poderá não existir tão rápido quanto desejável.

A ideia foi expressa pelo diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em videoconferência de imprensa, a partir da sede da organização, em Genebra, na Suíça.

"A vacina será uma ferramenta vital, esperemos que tenhamos uma o mais rápido possível, mas não há garantia de que isso ocorrerá", afirmou, acrescentando que, por agora, o combate à propagação do coronavírus que causa a Covid-19 tem de ser feito com outras ferramentas, como o distanciamento físico, a higienização das mãos e o uso de máscaras, e com "ajustes à vida diária".

Para Tedros Adhanom Ghebreyesus, se num mundo globalizado, em que as pessoas estão mais próximas umas das outras, o "vírus tem mais hipótese de se disseminar", também é nele que há "melhores tecnologias para o controlar".

"A nossa esperança é acabar com esta pandemia em menos de dois anos", disse, apontando as vacinas como as "ferramentas novas" para se alcançar esse fim.

O diretor-executivo do Programa de Emergências de Saúde da OMS, Mike Ryan, lembrou ainda, apoiando-se na História, que os vírus respiratórios pandémicos se tornam sazonais com o passar do tempo. "Esperemos que haja vacinas para controlar a pandemia", reforçou.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 793.847 mortos e infetou mais de 22,7 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?
Editorial | Denise Cunha Velho
Internato centrado na grelha de avaliação curricular: defeito ou virtude?

Sou do tempo em que, na Zona Centro, não se conhecia a grelha de avaliação curricular, do exame final da especialidade. Cada Interno fazia o melhor que sabia e podia, com os conselhos dos seus orientadores e de internos de anos anteriores. Tive a sorte de ter uma orientadora muito dinâmica e que me deu espaço para desenvolver projectos e actividades que me mantiveram motivada, mas o verdadeiro foco sempre foi o de aprender a comunicar o melhor possível com as pessoas que nos procuram e a abordar correctamente os seus problemas. Se me perguntarem se gostaria de ter sabido melhor o que se esperava que fizesse durante os meus três anos de especialidade, responderei afirmativamente, contudo acho que temos vindo a caminhar para o outro extremo.