Covid-19: OMS critica opção política por "nacionalismo de vacinas"
DATA
07/08/2020 09:10:49
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: OMS critica opção política por "nacionalismo de vacinas"

A Organização Mundial de Saúde (OMS) criticou o “nacionalismo de vacinas” para a Covid-19, afirmando que qualquer país terá benefícios económicos e de saúde se o resto do mundo recuperar da pandemia.

“O nacionalismo em relação às vacinas não presta. Não nos ajudará. Quando dizemos que uma vacina deve ser um bem global de saúde pública, não se trata de partilhar por partilhar. Para o mundo poder recuperar mais depressa, tem de recuperar em conjunto”, afirmou o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, numa conferência de imprensa virtual integrada no Fórum de Segurança de Aspen, um encontro global organizado a partir dos Estados Unidos da América.

Os países que cheguem primeiro a uma vacina e que se comprometam a contribuir para que seja distribuída equitativamente por todo o mundo “não estão a fazer caridade aos outros, estão a fazê-lo por si próprios, porque quando o resto do mundo recuperar e as economias reabrirem, também beneficiam”, declarou.

Por sua vez, o diretor-executivo do Programa de Emergências Sanitárias da OMS, Michael Ryan, afirmou que de 165 projetos de vacinas, 26 estão em testes clínicos e seis entraram já em fase três, em que são testadas em pessoas saudáveis para ver se são capazes de as proteger contra o novo coronavírus durante grandes períodos de tempo.

Nenhuma delas é garantia, por si, só de sucesso na eliminação da Covid-19 como ameaça de saúde pública, salientou aquele responsável, referindo que poderão ser precisas várias para o conseguir.

Michael Ryan indicou que a resposta da comunidade científica no desenvolvimento de vacinas foi “incrível para o curto espaço de alguns meses”, frisando que é preciso garantir que qualquer uma das candidatas será “segura e eficaz”.

“Precisamos de continuar a ser cautelosos à medida que aumentamos o número de pessoas vacinadas, porque os efeitos secundários raros só se manifestam quando se vacinam muitas pessoas”, salientou.

Assim que houver “sinais de segurança” suficientes, a produção de vacinas poderá começar, garantindo-se que há vacinas suficientes para as necessidades de todo o mundo.

"Para o mundo recuperar mais depressa, tem que recuperar em conjunto", reiterou Tedros Ghebreyesus.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas