Covid-19: Ministra reconhece necessidade de reforçar profissionais nos cuidados intensivos
DATA
27/07/2020 16:48:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Ministra reconhece necessidade de reforçar profissionais nos cuidados intensivos

A ministra da Saúde reconheceu a necessidade de reforçar a capacitação de recursos humanos nos serviços de medicina intensiva, observando, no entanto, que esse é um processo demorado.

“Formar um especialista em medicina, em qualquer área, é um processo que demora vários anos e, portanto, não é possível ter intensivistas com a mesma velocidade com que se adquirem equipamentos de cuidados intensivos”, explicou Marta Temido, durante a conferência de imprensa regular sobre a pandemia de Covid-19 em Portugal desta segunda-feira, dia 27 de julho.

Em abril, o secretário de Estado da Saúde avançou que Portugal tem cerca de 250 médicos intensivistas, garantindo que há outros profissionais aptos para manusear ventiladores, nomeadamente anestesiologistas, pneumologistas e internistas.

Questionada sobre como os cuidados intensivos estão a ser reajustados com o início das férias dos profissionais, dado o número reduzido de intensivistas, a ministra reconheceu que, apesar de não ser possível assegurar, para já, o reforço de médicos, esse é um processo no qual a tutela já está a trabalhar.

“A Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid-19 acabou por ter uma missão mais ampla do que aquela que seria a da resposta estrita à Covid-19 e ajudou-nos também a fazer uma revisão da rede nacional de especialidade hospitalar e de referenciação”, esclareceu.

Segundo Marta Temido, essa revisão, que está atualmente em consulta pública, reconhece não só a necessidade de reforço de equipamentos e infraestruturas, mas também de recursos humanos.

Esse trabalho, continuou, poderá passar pela maximização das vagas para a formação especializada, abertura de concursos para a colocação de médicos nos serviços de medicina intensiva e a integração nos quadros dos enfermeiros com contratos a termo certo.

Sobre o reforço dos cuidados intensivos, a governante adiantou ainda que o objetivo é que até ao início de 2021 Portugal disponha, em média, de 11,5 camas por 100 mil habitantes, alinhado com a média de referência europeia.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas