Covid-19: Equipas multidisciplinares de Lisboa e Vale do Tejo contactaram mais de 600 pessoas num dia
DATA
02/07/2020 16:28:22
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



Covid-19: Equipas multidisciplinares de Lisboa e Vale do Tejo contactaram mais de 600 pessoas num dia

As equipas multidisciplinares criadas no âmbito do combate à Covid-19, em cinco concelhos da área Metropolitana de Lisboa, contactaram 602 pessoas, no dia 30 de junho, revelou a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT).

Sensibilizar as pessoas para as medidas de prevenção da doença provocada pelo novo coronavírus, verificar e encontrar soluções para quem necessita de apoio alimentar e de realojamento são algumas das ações realizadas pelas equipas, que integram profissionais da saúde, segurança social, proteção civil/municípios e forças de segurança.

Além de contactar pessoas identificadas que possam necessitar de ajuda complementar para cumprir o isolamento profilático, no sentido de ajudar a quebrar as cadeias de transmissão da Covid-19, estas têm também visitado estabelecimentos comerciais.

No último dia de junho, eram 15 as equipas multidisciplinares constituídas nos Agrupamentos de Centros de Saúde da Amadora, Lisboa Norte, Lisboa Central, Lisboa Ocidental e Oeiras, Loures-Odivelas e Sintra.

“Na mesma data, os elementos destas equipas realizaram visitas a famílias e pessoas que residem sozinhas, além de várias ações de rua. No total, mais de 602 indivíduos foram alvo desta intervenção”, avança a ARSLVT.

Loures foi o concelho com maior número de pessoas alvo de intervenção (450), seguido de Sintra (69) e Lisboa (57). Na Amadora e em Odivelas foram contactadas 16 e 10 pessoas, respetivamente.

A criação destas equipas foi uma das medidas anunciadas pelo primeiro-ministro, a 25 de junho, e implementada pelo Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da Covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo.

Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro
Editorial | Conceição Outeirinho
Preparados para o Futuro? // Preparar o Futuro

O início da segunda década deste século, foram anos de testagem. Prova intensa, e avassaladora aos serviços de saúde e aos seus profissionais, determinada pelo contexto pandémico. As fragilidades do sistema de saúde revelaram-se de modo mais acentuado, mas por outro lado, deu a conhecer o nível de capacidade de resposta, nomeadamente dos seus profissionais.