Covid-19: Resposta em rede do SNS acomoda pressão nas unidades da Grande Lisboa
DATA
01/07/2020 18:31:47
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Resposta em rede do SNS acomoda pressão nas unidades da Grande Lisboa

A maior pressão verificada nos últimos dias nas unidades hospitalares da grande Lisboa tem sido “acomodada pela resposta em rede” do Serviço Nacional de Saúde (SNS), afirmou hoje a secretária de Estado Adjunta e da Saúde, Jamila Madeira.

“Mas para mantermos bons níveis de resposta precisamos que ninguém, em nenhum momento, baixe a guarda e que todos cumpram as regras sanitárias que têm sido divulgadas desde o primeiro dia, sobretudo privilegiar o distanciamento social, desinfeção frequente das mãos e continuar a usar máscara sempre que possível”, destacou a governante durante a conferência de imprensa de atualização dos dados relativos à pandemia de Covid-19.

Jamila Madeira defendeu que o governo tem procurado encontrar “as melhores respostas” para os problemas que vão surgindo e agilizá-las “tão rápido quanto possível” no terreno.

“É o que estamos a fazer com as medidas adotadas na Área Metropolitana de Lisboa e estamos certos de que, se cada um fizer a sua parte, trarão os resultados desejados a muito breve trecho”, referiu.

A secretária de Estado indicou que a linha Saúde 24, apesar de estruturalmente não se encontrar preparada para esta pandemia, enfrentou “um desafio gigante” num curto período, “respondendo plenamente ao papel de primeira triagem e respetivo encaminhamento” dos doentes.

“Nestes exigentes e singulares meses de 2020, deu resposta a mais de um milhão de chamadas, num reforço sem precedentes da sua capacidade”, frisou.

Jamila Madeira sublinhou que as dificuldades e os desafios continuarão a surgir todos os dias, “a todas as horas”, até que seja apresentada uma vacina e um tratamento eficaz para a Covid-19, uma doença que diariamente revela “mais uma das suas vertentes”.

Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?
Editorial | Jornal Médico
Mulher, autonomia e indicadores – uma história de retrocesso?

O regime remuneratório das USF modelo B há muito que é tema para as mais diversas discussões, parecendo ser unânime a opinião de que necessita de uma revisão, inexistente de forma séria desde a sua implementação.