Covid-19: Barómetro revela que 62% dos inquiridos não utiliza equipamento adequado para trabalhar em casa
DATA
16/06/2020 14:04:58
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Barómetro revela que 62% dos inquiridos não utiliza equipamento adequado para trabalhar em casa

Os resultados do questionário sobre Teletrabalho e Saúde Ocupacional, realizado pelo Barómetro Covid-19 da Escola Nacional de Saúde Pública, mostra que 62% dos inquiridos utiliza um equipamento “não adequado” para trabalhar e não faz pausas esporádicas e curtas para descansar, ao longo do dia.

O inquérito, dirigido a pessoas que se encontravam – ou já se encontraram –, nesta fase da pandemia por Covid-19, em teletrabalho, tinha como objetivo ficar a conhecer melhor as condições de trabalho de quem exerce a sua atividade em teletrabalho e os seus potenciais efeitos para a saúde.

Dos inquiridos, 54% revelaram estar satisfeitos com a sua situação de teletrabalho, no entanto, apenas 37% se sente satisfeito com o equilíbrio entre o teletrabalho e a vida pessoal.

No que concerne ao ambiente de trabalho e saúde, 42% das pessoas trabalham fora dos ângulos de conforto no que diz respeito ao teclado (altura do teclado diferente da altura do cotovelo) e 62% relativamente ao monitor (acima ou abaixo da altura dos olhos).

Ainda neste âmbito, 62% dos participantes utiliza um equipamento não adequado para trabalhar, entre os quais cadeira da sala, da sala de jantar, da cozinha ou outra do mobiliário da casa - e não faz pausas ao longo do período laboral.

Sobre apoio da entidade empregadora, 33% dos inquiridos referem que lhe são disponibilizadas “todas as condições e recursos para poder trabalhar a partir de casa, de forma eficaz”, e apenas 2,3% tiveram acesso a um portátil.

Cerca de 50% dos inquiridos afirma que compraria uma “cadeira e secretária adequadas” para melhorar o seu espaço de trabalho em casa.

Questionados sobre “a existência de alguém da empresa da área da Saúde e Segurança do Trabalho que desse apoio sobre como adequar o mobiliário e os equipamentos informáticos para estar mais confortável e ser mais produtivo” os dados revelam que 75% das pessoas não tem qualquer tipo de apoio.

Governação Clínica
Editorial | Joana Romeira Torres
Governação Clínica

O Serviço Nacional de Saúde em Portugal foi criado e cresceu numa matriz de gestão napoleónica, baseada numa forte regulamentação, hierarquização e subordinação ao poder executivo, tendo como objeto leis e regulamentos para reger a atividade de serviços públicos no geral, existindo ausência de regulamentação relativa à sua articulação com os serviços sociais e económicos.

Mais lidas