Vacinas administradas em maio caíram mais de 40%
DATA
03/06/2020 10:41:35
AUTOR
Alexandra Brandão, Consultora médica para as Vacinas e Saúde da Mulher da MSD Portugal
ETIQUETAS




Vacinas administradas em maio caíram mais de 40%

O número de vacinas administradas em maio caiu mais de 40% em comparação com o mesmo mês de 2019, fixando-se em 300.693, segundo os dados do Portal do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Os dados, atualizados até ao passado dia 27, indicam que, em maio de 2019, tinham sido administradas 519.234 vacinas.

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT) foi a que registou maior número de vacinas administradas (111.262), seguida pela ARS Norte (111.013), ARS Centro (49.285), ARS Algarve (15.054) e ARS Alentejo (14.079).

Comparando com o mês de abril (395.416), em maio o número de vacinas administradas caiu quase 24%.

As autoridades de saúde já tinham alertado para a importância de não descurar o Programa Nacional de Vacinação (PNV), sobretudo, nesta altura de pandemia da Covid-19, lembrando que as vacinas previstas para o primeiro ano de vida conferem proteção contra 11 doenças potencialmente graves.

Por ocasião do Dia Mundial da Criança, na passada segunda-feira, a diretora-geral da Saúde voltou a apelar aos pais para que vacinem os filhos, utilizem as consultas de vigilância e realizem o teste do pezinho aos recém-nascidos.

“Não há nenhum motivo neste momento para que as crianças não tenham as suas vacinas atualizadas”, disse Graça Freitas, sublinhando que “a vacina evita muitas doenças, algumas delas graves” e que a última coisa que as autoridades querem é ter surtos de outras doenças.

Para cumprir a vacinação dos filhos, os pais devem marcar as visitas, para evitar filas e aglomerados, por causa da pandemia.

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas