Webinar explora desafios da dermatite atópica e outros eczemas
DATA
29/05/2020 18:15:45
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Webinar explora desafios da dermatite atópica e outros eczemas

Os desafios da dermatite atópica (DA) e outros eczemas estiveram no centro de mais uma conversa na web promovida pelo Jornal Médico, que contou com a participação do especialista em Dermatologia e Venereologia Pedro Mendes Bastos.

Dentro do espectro dos eczemas, o dermatologista centrou a sua apresentação em três: a dermatite atópica (DA), a dermatite seborreica e o eczema asteatótico, sendo todos eles de causa endógena, embora estejam “sujeitos a agravamentos, devido a fatores externos”.

Após desconstruir o conceito de eczema, Pedro Mendes deu resposta a questões relacionadas com o diagnóstico e tratamento, e sublinhou o facto de a DA ser a doença inflamatória da pele mais frequente, em todo o mundo.

Partindo do contexto atual, tornou-se ainda pertinente falar sobre dermatites de contacto em tempos de Covid-19, considerando que, na maioria dos casos, se trata de dermatites irritativas, que resultam do contacto prolongado de máscaras contra a pele e de lavagens excessivas das mãos.

No final da sua intervenção, reforçou a importância de existir uma gestão partilhada dos doentes, entre a Dermatologia e a Medicina Geral Familiar.

“Os doentes com DA, outros eczemas, ou com doenças de pele em geral, merecem toda a nossa atenção e os médicos de família estão, neste momento, cada vez mais preocupados com a qualidade de vida dos doentes e com o impacto das suas doenças crónicas e é um gosto trabalhar com eles, no sentido de gerir o doente”.

Assista à conversa completa, aqui:

O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Editorial | Jornal Médico
O novo normal e a nova realidade – que alterações provocadas pela pandemia vieram para ficar?
Acertar procedimentos e aperfeiçoar métodos de trabalho. Encontrar uma nova visão e adotar uma nova estratégia útil na nossa prática clínica quotidiana. Valorizar as unidades de saúde por estarem a dar as respostas adequadas e seguras é o mínimo que se exige, mas é urgente e inevitável um plano de investimento nos centros de saúde do Serviço Nacional de Saúde.

Mais lidas