Covid-19: Fundo de Recuperação da UE centrado em reformas, investimento e apoio à saúde
DATA
27/05/2020 15:41:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Fundo de Recuperação da UE centrado em reformas, investimento e apoio à saúde

O Fundo de Recuperação da União Europeia (UE) para responder à crise causada pela Covid-19 prevê a distribuição de 750 mil milhões de euros por “três pilares”, incluindo reformas, investimento privado e saúde, segundo a proposta hoje divulgada.

Em causa está o Fundo de Recuperação proposto pela Comissão Europeia, num total de 750 mil milhões de euros, dos quais 500 mil milhões serão canalizados para os Estados-membros através de subsídios a fundo perdido e os restantes 250 mil milhões na forma de empréstimos.

Assim, de acordo com a agência Lusa, que teve acesso à informação divulgada pelo executivo comunitário, “o dinheiro arrecadado para a Próxima Geração da UE [nome atribuído a este fundo] será investido em três pilares”, entre os quais o da saúde.

Este pilar tem o intuito de “tirar lições da crise”, com Bruxelas a querer um novo programa de saúde, que designou de EU4Health, para “reforçar a segurança sanitária e preparar futuras crises sanitárias com um orçamento de 9,4 mil milhões de euros”.

Ainda no âmbito sanitário, é proposto o reforço do Mecanismo de Proteção Civil da UE em dois mil milhões de euros “para equipar a União para se preparar e responder a futuras crises”.

A saúde contará também com a mobilização de 94,4 mil milhões de euros para o programa Horizonte Europa para “financiar a investigação vital no domínio da saúde” e ainda a alocação de um montante adicional de 16,5 mil milhões de euros para ações externas, incluindo a ajuda humanitária, aos parceiros mundiais da Europa.

Já no caso do pilar “apoio aos Estados-membros com investimentos e reformas”, está incluído um novo Mecanismo de Recuperação e Resiliência de 560 mil milhões de euros (310 mil milhões de euros em subsídios e 250 mil milhões de euros em empréstimos), integrado no Semestre Europeu, que visa fomentar “investimentos e reformas, nomeadamente em relação às transições verdes e digitais e à resiliência das economias nacionais, ligando-as às prioridades da UE”.

Inclui também verbas adicionais para políticas como as de Coesão (complemento de 55 mil milhões de euros dos atuais programas até 2022, ao abrigo da nova iniciativa REACT-UE para fazer face aos impactos socioeconómicos da crise), o Fundo de Transição Justa (com reforço de até 40 mil milhões de euros para acelerar a transição para a neutralidade climática) e a Agricultura (com mobilização de mais 15 mil milhões de euros para o Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural).

O pilar do Fundo de Recuperação centra-se no “incentivo ao investimento privado”, abrangendo nomeadamente um novo instrumento público-privado de apoio à solvência, que Bruxelas quer ter operacional ainda este ano e com um orçamento de 31 mil milhões de euros.

O objetivo é, com este montante, desbloquear 300 mil milhões de euros em apoio à solvência das empresas e prepará-las para um “futuro mais limpo, digital e resiliente”, nomeadamente no que toca às “empresas europeias saudáveis nos setores, regiões e países mais afetados”.

Ainda nos apoios ao setor privado, o executivo comunitário pretende aumentar a verba alocada ao programa de apoio ao financiamento de empresas InvestEU para um total de 15,3 mil milhões de euros e criar uma nova facilidade de investimento estratégico integrada neste projeto.

“Outros programas da UE serão reforçados para alinhar plenamente o futuro quadro financeiro com as necessidades de recuperação e as prioridades estratégicas e outros instrumentos serão reforçados para tornar o orçamento da União mais flexível e mais reativo”, adianta a Comissão Europeia.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas