Covid-19: Fundação Portuguesa de Cardiologia apela à demonstração de afetos virtuais
DATA
19/05/2020 16:58:16
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS




Covid-19: Fundação Portuguesa de Cardiologia apela à demonstração de afetos virtuais

A Fundação Portuguesa de Cardiologia (FPC) está a promover uma campanha de consciencialização para a importância do distanciamento social e a incentivar as pessoas a demonstrarem os afetos através dos meios digitais.

Esta iniciativa surge no mês dedicado à sensibilização para as doenças do coração, lembrando o a necessidade de adoção de comportamentos de segurança, como o uso de máscara.

Paralelamente, a FPC pretende passar uma mensagem de encorajar as pessoas para que não se isolem e demonstrem os seus afetos de forma digital, “protegendo o coração da Covid-19”.

“Esta campanha pretende passar uma mensagem a todos os doentes cardiovasculares, que fazem parte do grupo de risco, mas também a toda a população no geral. Todas as pessoas devem seguir escrupulosamente as orientações das autoridades de saúde, nomeadamente o distanciamento social, mas acreditamos que os afetos são muito importantes nesta fase”, explica o presidente da FPC, Manuel Carrageta.

Sublinha, neste âmbito que “quem tem problemas cardiovasculares não deve facilitar, mas pode e deve reforçar a proximidade digital para matar saudades das pessoas que mais gosta”.

Já o assessor médico da FPC, Luís Negrão relembra o facto de os doentes não descurarem as medidas de segurança: “Devem utilizar a máscara, respeitar o confinamento e o distanciamento social, mas também nada impede a manifestação de afetos, ternura e carinho através de um computador, tablet ou telemóvel. Os afetos também são amigos do coração”.

MGF 2020-30: Desafios e oportunidades
Editorial | Gil Correia
MGF 2020-30: Desafios e oportunidades

Em março de 2020 vivemos a ilusão de que algumas semanas de confinamento nos libertariam para um futuro sem Covid-19. No resto do ano acreditámos que em 2021 a realidade voltaria. Mas, por definição, a crise é uma mudança de paradigma. O normal mudou. Importa que a Medicina Geral e Familiar se adapte e aproveite as oportunidades criadas. A Telemedicina, a desburocratização e um ambiente de informação, amigável flexível e unificado são áreas que me parecem fulcrais na projeção da MGF no futuro.

Mais lidas