CHULC inaugura robótica no SNS
DATA
07/11/2019 15:11:01
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



CHULC inaugura robótica no SNS

O Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central recebeu o primeiro equipamento de cirurgia robótica em atividade no Serviço Nacional de Saúde.

O robot, no valor de dois milhões de euros e instalado no bloco operatório do Hospital Curry Cabral, foi oferecido pelo Imamat Ismaili, entidade liderada pelo príncipe Aga Khan.

A cerimónia oficial de entrega decorrerá no próximo dia 8 de novembro, pelas 11h30, naquela unidade hospitalar, na presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, do príncipe Aga Khan, da ministra da Saúde, Marta Temido, e da presidente do Conselho de Administração do CHULC, Rosa Valente de Matos.

O equipamento de cirurgia robótica, que já se encontra a operar e a formar cirurgiões desde junho de 2019, permite, através de técnicas minimamente invasivas, alcançar com grande rigor zonas do organismo de difícil acesso, aumentando a precisão cirúrgica e reduzindo as perdas de sangue e o risco de dano anatómico involuntário.

O robot é utilizado, com particular enfoque, no tratamento cirúrgico de doenças oncológicas, destinando-se especialmente a intervenções no âmbito do carcinoma da próstata, carcinoma do reto, tumores hepáticos e pancreáticos, e aplicando-se também na cirurgia da obesidade.

O donativo do Imamat Ismaili permitirá disponibilizar aos beneficiários do SNS um tipo de tratamento até agora indisponível nos hospitais públicos portugueses, contribuindo assim para uma melhoria da qualidade de vida dos doentes.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas