Bastonário da OM: “País precisa de um novo relatório das Carreiras Médicas”
DATA
23/09/2019 15:06:38
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS


Bastonário da OM: “País precisa de um novo relatório das Carreiras Médicas”

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) considera que os jovens médicos têm vencimentos “medíocres para o que é a sua responsabilidade” e defendeu uma revisão das Carreiras Médicas.

Na sua intervenção na conferência promovida pela OM para assinalar os 40 anos do SNS, Miguel Guimarães disse que “a Carreira Médica precisa de um novo impulso” e que “o País precisa de um novo relatório das Carreiras Médicas. Neste sentido, o responsável anunciou a “firme intenção de criar um grupo de trabalho independente no seio da OM com a tarefa de repensar e reformular o relatório das Carreiras Médicas”. Para liderar este grupo, o bastonário convidou o médico e sindicalista Mário Jorge Neves.

Recorde-se que o primeiro Relatório das Carreiras Médicas, datado de 1961, definiu várias medidas que permitiram uma reconstrução do sistema de saúde.

Além da revisão deste Relatório das Carreiras Médicas, o bastonário entende que a própria Carreira Médica tem “vários pontos que é necessário rever”, incluindo a parte remuneratória e dos escalões ou outras matérias como as horas de trabalho ou o tempo em serviço de urgência. Miguel Guimarães entende ainda que a Carreira Médica devia ser estendida ao setor privado e social, onde é inexistente neste momento.

Sobre a parte remuneratória, Miguel Guimarães lembrou que essa é uma matéria da competência dos sindicatos. Contudo, afirmou que os jovens médicos “têm vencimentos medíocres para a responsabilidade que têm” e avisou que “o grande desafio do Serviço Nacional de Saúde” é o de se manter “atrativo para as novas gerações”.

Segundo dados que a Ordem dos Médicos hoje apresentou na conferência “SNS aos 40”, os médicos do serviço público fazem em 24 horas mais de 118 mil consultas, atendem cerca de 18 mil episódios de urgência, fazem mais de 1.800 cirurgias e realizam uma média de 190 partos.

A mudança necessária
Editorial | Jornal Médico
A mudança necessária

Os últimos meses foram vividos por todos nós num contexto absolutamente anormal e inusitado.

Atravessamos tempos difíceis, onde a nossa resistência é colocada à prova em cada dia, realidade que é ainda mais vincada no caso dos médicos e restantes profissionais de saúde. Neste âmbito, os médicos de família merecem certamente uma palavra de especial apreço e reconhecimento, dado o papel absolutamente preponderante que têm vindo a desempenhar no combate à pandemia Covid-19: a esmagadora maioria dos doentes e casos suspeitos está connosco e é seguida por nós.

Mais lidas