APIFARMA solicita ao Governo serviços mínimos para distribuição de medicamentos e serviços de diagnóstico
DATA
31/07/2019 12:07:13
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS



APIFARMA solicita ao Governo serviços mínimos para distribuição de medicamentos e serviços de diagnóstico

Indústria Farmacêutica pede ao Governo serviços mínimos para assegurar a distribuição de medicamentos nos Hospitais e Farmácias e assistência técnica a equipamentos de análises clínicas.

Na sequência do anúncio de greve dos motoristas de matérias perigosas, a partir de 12 de agosto, a Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (APIFARMA) solicitou ao Governo que a distribuição de medicamentos e o serviço de assistência a equipamentos de análises clínicas sejam incluídos nos serviços mínimos, caso venham a ser fixados, à semelhança do sucedido no passado mês de abril.

A APIFARMA requereu ao Ministério da Saúde, ao Ministério da Administração Interna e ao Ministério das Infraestruturas e da Habitação que seja incluído no Despacho, que vier a ser aprovado, o abastecimento de combustíveis às empresas responsáveis pela distribuição de medicamentos às farmácias e instituições do Serviço Nacional de Saúde (SNS) e às empresas que dispensam dispositivos para diagnóstico in vitro, nomeadamente aos técnicos que prestam assistência técnica a equipamentos instalados nos laboratórios de análises clínicas dos hospitais e instituições do SNS.

Esta medida torna-se premente, sob pena de ser criada uma grave situação de saúde pública, durante o anunciado período de greve dos motoristas de camiões de combustíveis, motivada pela falta de medicamentos nos Hospitais e Farmácias e pelo risco de comprometer a deslocação de técnicos que garantem a assistência a equipamentos de análises clínicas, em caso de avaria.

É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários
Editorial | Jornal Médico
É urgente desburocratizar os Cuidados de Saúde Primários

Neste momento os CSP encontram-se sobrecarregados de processos burocráticos inúteis, duplicados, desnecessários, que comprometem a relação médico-doente e que retiram tempo para a atividade assistencial.