Abertas as candidaturas à 8.ª edição do Prémio de Jornalismo na área da Dor
DATA
15/07/2019 17:19:32
AUTOR
Jornal Médico
ETIQUETAS

Abertas as candidaturas à 8.ª edição do Prémio de Jornalismo na área da Dor

Decorrem até ao dia 14 de setembro de 2019 as candidaturas à 8ª edição do Prémio de Jornalismo na área da Dor, o prémio anual promovido pela Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED) e pela Fundação Grünenthal, que visa incentivar e reconhecer o interesse e qualidade dos trabalhos jornalísticos na área da Dor escritos em Língua Portuguesa.

Ao jornalista vencedor é entregue um prémio no valor de dois mil euros e, ao segundo classificado, um prémio no valor de mil euros. O júri, composto por cinco membros, dois indicados pela APED, dois indicados pelo Sindicato dos Jornalistas e um pela Fundação Grünenthal, avaliará os trabalhos a concurso com base em critérios como a coerência com os objetivos do Prémio, a criatividade, a investigação, a relevância e a qualidade das peças. Poderão ser ainda entregues menções honrosas não associadas a qualquer valor pecuniário.

Ao Prémio Jornalismo na área da Dor podem concorrer todos os jornalistas residentes em Portugal, cujos trabalhos tenham sido publicados, em Língua Portuguesa, em imprensa - escrita e online -, televisão e rádio, nas datas compreendidas entre 1 de maio de 2018 e 31 de agosto de 2019.

As candidaturas à 8ª edição do Prémio de Jornalismo DOR devem ser dirigidas à Presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor ou ao Presidente da Fundação Grünenthal até ao dia 14 de setembro de 2019 e para a morada Alameda Fernão Lopes, 12, 8A, 1495-190 Algés, Portugal,

Na última edição do Prémio de Jornalismo na área da Dor, o 1.º prémio foi atribuído à jornalista Miriam Alves, da SIC, pela reportagem “O Mal-Entendido: As Doenças a que Chamamos Cancro”, e o segundo prémio atribuído à jornalista Vera Novais, do Observador, com a reportagem “Enxaqueca é muito mais do que uma dor de Cabeça”. A Menção Honrosa foi atribuída às jornalistas Liliana Valente e Sibila Lind, pela reportagem “Eis que Fazem Novas Todas as Coisas”, publicada no Público.

800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde
Editorial | Jornal Médico
800 milhões de euros para o Serviço Nacional de Saúde

Se não os tivéssemos seria bem pior! O reforço do Programa Operacional da Saúde com 800 milhões de euros pode ser entendido como sinal político de valorização do setor da saúde. Será uma viragem na política restritiva? O Serviço Nacional de Saúde (SNS) de 40 anos precisa de cuidados intensivos! Há novos enquadramentos, novas responsabilidades, novas ideias e novas soluções. É urgente pensarmos na nova década com rigor e disponibilidade sincera.

Mais lidas